Versículo do Momento

LEIA A BÍBLIA

novembro 17, 2017

AS RIQUEZAS DO CÉU


AS RIQUEZAS DO CÉU
Imagem do Google

Disponível em: https://www.google.com.br/search?q=Imagem+para+riqueza&newwindow=1&safe=active&source=

Acessado em: 17/11/2017

Apocalipse 21:1-2, 10, 18-21

É pecado ter riquezas, possuir as coisas e bens materiais? Não! De jeito nenhum! As riquezas, as coisas e os bens materiais, desta vida, são maus e malignos? De jeito nenhum! Abraão era homem muito rico e era homem de Deus. O Apóstolo Paulo diz em I Tim. 4:4 o seguinte: “Porque toda a criatura de Deus é boa, e não há nada que rejeitar, sendo recebido com ações de graças”. Se as riquezas foram criadas por Deus, logo, elas são boas. O que não é bom é o coração do homem que se deixa escravizar pelas riquezas. Quem faz as riquezas malignas é o homem quando a utiliza para ostentar sua condição e posição social, querendo se colocar superior, humilhando, desprezando e passando encima dos demais. É fazer das riquezas o seu deus.

Maus e malignos são os corações das pessoas que se deixam dominar e escravizarem pelas riquezas. Daí exploram, cometem injustiça, roubam, até matam, não amam, tem inveja, olho gordo, cobiça e trocam as pessoas pelos objetos. Os objetos passam a ter mais valor do que gente. Neste caso, não são as pessoas que possuem, tomam posses, dominam as coisas; mas as riquezas, os bens materiais que possuem as pessoas. As pessoas são possuídas, dominadas e escravizadas pelas as riquezas. Quantas pessoas possuídas, também, pela cultura, artes, fanatismo e ideologias?

Vejamos o que o Apóstolo Paulo diz em I Tim. 6:10: “Porque o amor ao dinheiro é a raiz de toda a espécie de males; e nessa cobiça alguns se desviaram da fé, e se traspassaram a si mesmos com muitas dores”. O texto confirma exatamente o que dissemos acima! O Apóstolo não está afirmando que o mal está em possuir as riquezas, mas em amar de maneira exagerada e intensa o que deixará de glorificar ao Senhor para glorificar a si mesmo ou os próprios bens. Daí que vivem mal em muitos sentidos. Vivem doentes espiritual: Desviam da fé. Doentes do espirito e da mente. Com dor de consciência. Gemendo ainda que ninguém ouça. Atribulados. Ansiosos. Com medo. Preocupados em não perderem as riquezas. Dormem mal. Não tem tempo para a família e nem para Deus porque o deus deles são as riquezas, Mat. 6:19-21.

As riquezas quando usadas de maneira correta são bênçãos para as nossas vidas. Dão prazer. São parte da felicidade. Promovem bem-estar tanto para quem as tem como para aqueles que delas desfrutam conjuntamente e promovem o Reino do Senhor Jesus Cristo entre os homens.

Não precisamos viver aqui uma vida mal, desviados da fé, com dor de consciência, gemendo, atribulados, ansiosos, com medo de perder as riquezas, dormindo mal, não tendo tempo para a família e para Deus, atribulados, avarentos e escravos dos bens materiais, se o nosso alvo principal é o Senhor Jesus! Não! Não precisamos porque não levaremos nada de material para a vida além, nem mesmo o corpo físico. Não é preciso levar riquezas daqui. Não podemos levar bens materiais. E não é preciso, o Céu é rico! Aqueles que para lá irão desfrutarão de todas as riquezas do Céu que lá já tem. Assim como a atual Jerusalém faz parte e está inserida neste planeta chamado terra, a nova Jerusalém fará parte e estará inserida no Céu. A nova Jerusalém, onde os salvos irão habitar, a Bíblia a descreve como sendo rica. Lógico e evidente que as riquezas não são materiais de pedras preciosas reais. A descrição é para mostrar a superioridade, as riquezas da Jerusalém celestial em relação a Jerusalém terrestre, o que lemos em Apocalipse 21:10,18-21 e descreve.

Uma das riquezas que é encontrada na Jerusalém celestial e a faz superioridade a Jerusalém terrestre, é que a terrestre teve a sua origem com os homens, daí as mazelas em que lá tem: Violência, guerras, atentados a bombas, sequestros e assassinatos. Já a Jerusalém celestial e de além, ela tem origem em Deus, daí a paz eterna, a segurança e a vida eterna. Ela não é de baixo, mas descerá do Céu, isso a demonstra ser superior, por isso as suas riquezas valiosas nela. A Jerusalém celestial desafia qualquer descrição! A sua beleza não tem limite! É linda! Será de rua de ouro puro e maciço. Uma cidade magnânima, isto é, que tem grandeza, generosa e de nobre. É magnífica, isto é, ela é engrandecida, exaltada glorificada, grandiosa, suntuosa, cheia de pompa, de esplendor, pura e limpa de qualquer poluição.

A sua qualidade é muito, mas muito superior a Jerusalém terrestre. É perfeita em sua glória, porque ela tem contato direto com a glória de Deus Pai! O seu culto é perfeito! A vida nela é perfeita! A proteção é perfeita! A comunhão é perfeita! A segurança é perfeita! A justiça é perfeita! A qualidade de vida é perfeita! E lá todos serão tratados como verdadeiros cidadãos em pé de igualdade! Há abundância de tudo!

Não é preciso levar riquezas, se fosse possível levar riquezas, se lá só há riquezas. Há riquezas tremendas! A graça e a glória do Senhor Deus tem em abundância.

Devido à avareza e a ganância, há aqueles que trocam as riquezas eternas e melhores, pelas riquezas passageiras e piores, sem uma análise, escrúpulo e pudor, pensando que poderão desfrutar das riquezas do Céu, após a separação das riquezas da terra, mediante a morte, o que não é possível. Para desfrutar das riquezas do Céu, é preciso decidir, enquanto aqui vive, a viver uma vida dedicada ao Senhor Jesus. É preciso resolver a questão da salvação enquanto aqui vive. É preciso começar a caminhar com Jesus aqui, para continuar em sua presença lá. Ele deixou isso claro em João 14:6; I Timóteo 1:15 e Atos 2:21. Não existe riqueza maior, bem mais precioso do que a salvação em si. Jesus perguntou ao jovem rico: “Mas Deus lhe disse: Louco! esta noite te pedirão a tua alma; e o que tens preparado, para quem será? Assim é aquele que para si ajunta tesouros, e não é rico para com Deus”, Lucas 12:20-21. O convite é para que possamos nos preparar para desfrutarmos das riquezas do Céu. Vamos fazer isso!

Bibliografia
1 - BOYER, Orlando S. Pequena Enciclopédia Bíblica. 7ª Ed. Editora Vida, Miami Flórida USA, 665 p.

2 - JUNIOR, Luder Whitlock. Bíblia de Estudo de Genebra. São Paulo e Barueri. Cultura Cristã e Sociedade Bíblica do Brasil, 1999, 1728 p.

3 - MOULTON, Harold K. Léxico Grego Analítico. Trad. Everton Aleva de Oliveira e Davi Miguel Manço. Ed. Cultura Cristã, 2007, São Paulo, 460 p.

4 - OLIVEIRA, Marcelo Ribeiro de. Bíblia Sagrada Versão Digital 6.7 Freewere. 2014. Disponível em: . Acesso em: 15 dez. 2014.

5 - SHEDD, Russell Philip. Bíblia Vida Nova. Traduzida por João Ferreira de Almeida. Editora: S. R. Edições Vida Nova, 2ª Ed. São Paulo, 1978, A T 929 p.

novembro 15, 2017

CASAMENTO DO PONTO DE VISTA DOS HOMENS E DE DEUS.


CASAMENTO DO PONTO DE VISTA DOS HOMENS E DE DEUS.

Autor: Pr Flávio da Cunha Guimarães

Imagem do Google

Disponível em: https://www.google.com.br/search?q=Imagem+para+casamentos&newwindow=1&safe=active&source=

Acessada em: 15/11/2017

Queremos discutir essa diferença do casamento do ponto de vista dos homens e do ponto de vista de Deus, por que nem sempre, as pessoas de um modo geral, percebem essa diferença. E por que não percebem? Por que estamos perdendo a capacidade de pensarmos no casamento do ponto de vista de Deus, e estamos pensando só do ponto de vista do homem ou da sociedade. Estamos diante de uma sociedade tão secularizada e condicionada a pensar como a mídia pensa, que nem sempre às pessoas veem diferença entre o casamento do ponto de vista dos homens e o casamento do ponto de vista de Deus. Mas para nós há essa diferença e é o que propomos apresentar neste post.

1 – O casamento do ponto de vista dos homens, não passa de um ritual social para dar satisfação à sociedade e não a Deus. Os envolvidos se preocupam com a formalidade. E o que é formalidade? O ato de pouca importância. Regras impostas pela sociedade e conveniências sociais. O ato que a pessoa tem que cumprir da maneira que se impõe ou praxe. São as regras de condutas, costumes, preceitos, normas e etiquetas.

2 – O casamento do ponto de vista dos homens, preocupa-se com as aparências e não com a essência. Aparência não diz como as coisas são em si mesmas. Ela é enganosa e ilusória. A aparência se preocupa com o externo e não com a essência. Mas temos que nos preocupara muito mais com a essência do que com as aparências, visto que Deus quer a essência, o que Ele pensa e quer do casamento e o que os homens pensam e querem.

3 – O casamento do ponto de vista dos homens, tudo vale. Vale ficar. Vale ir para a cama antes de casar. Vale adulterar. Vale trair. Vale largar. Vale desrespeitar. Vale divorciar. Vale trocar de homem e mulher quantas vezes quiser. Vale fazer bacanal em roda de amigos, onde rola de tudo, festa em que reina a devassidão e a orgia. E do ponto de vista de Deus vale o que? Nada disso vale!

4 – O casamento do ponto de vista dos homens, o consideram um ato instantâneo. O ato de satisfazer os desejos: Desejos sexuais. Desejo de aparecer bem na foto. Desejo de ser importante, ainda que seja só por um dia, por um hora ou até mesmo alguns minutos. Desejo de satisfazer as carências.

5 – O casamento do ponto de vista dos homens, só é importante no ato da cerimônia, depois seja o que Deus quiser. É o ato nupcial que não houve namoro e noivado para se conhecerem, entenderem o que pensam, gostam e querem na vida a dois. Não há planejamento para constituírem um lar e uma família. Quem casa assim o seu casamento acaba em um ato também. Assim como começa rápido, termina rápido também. Em um ato de uma briga, desentendimento, discussão ou até mesmo uma agressão. No ato quando vão a vista para colocar fim a vida a dois. Para esses, tudo o que envolve o relacionamento conjugal, torna-se secundário, de pouca importância e de pouco valor. Daí há um vazio de propósitos na vida dos envolvidos. Não preocupam-se com planejamento familiar e financeiro. Vivem pelos instintos e desejos.

6 – O casamento do ponto de vista dos homens, os sentimentos que predominam são o egoísmo, o orgulho, a revanche, o ciúme e o levar vantagem em tudo. Não pesam a questão: “ser feliz ou ter razão”. Consequentemente esse casamento não é durável, logo acaba.


Imagem do Google

Disponível em: https://www.google.com.br/search?newwindow=1&safe=active&biw=1366&bih=588&tbm=isch&sa=1&ei=

Acessada em: 15/11/2017

7 – Já o casamento do ponto de vista de Deus, ele começa em um processo: O gostarem um do outro, o namorarem, o se conhecerem, o noivarem, o amarem, o casarem para constituir uma família sólida, responsável e com propósito de envelhecerem juntos. Olhando uma pesquisa que o IBGE divulgou sobre casamentos, se constatou que cada vez mais os brasileiros casam mais velhos e cada vez mais se separam mais jovens. A média de idade para a separação caiu também. Bem como o número de separação dos casados é muito maior do que antes de 2011, se fica menos tempo casados.

8 – O casamento do ponto de vista de Deus, os envolvido entendem a importância de renunciar o EU para o bem estar dos dois. O pedir perdão e o perdoar um ao outro. A reconciliação. O respeito mútuo. O entenderem que os desejos têm que ser os desejos dos dois. O que prevalece não é a vontade egoísta e imposta sobre o outro, mas sim, a vontade do Senhor em primeiro lugar. Daí há disposição em renunciar caprichos quando é preciso renunciar. Até mesmo desejos e vontade que não afeta a personalidade e o caráter.

9 – O casamento do ponto de vista de Deus, é cheio de amor, de calor humano, de bondade, de mansidão, de ternura, de bons tratos, de boas maneiras, de compreensão, de cortesia, preocupação de fazer um ao outro feliz. Não há lugar para o individualismo e o eucentrismo.

10 - O casamento do ponto de vista de Deus, dura para sempre. A separação será somente pela fatalidade, com a morte. Esse é o casamento que queremos para nós? Se não é, ainda está em tempo de ser. Nunca é tarde para mudar.


Para concluir:

Queremos considerar os desejos dos pais dos noivos que veem o casamento do ponto de vista de Deus, pensamos nós que sejam assim, ao darem seus filhos em casamento. Cremos que os sogros, o que eles mais querem e esperam dos filhos envolvidos em um enlace matrimonial, é que amem um ao outro de paixão, de coração e que sejam fiéis um ao outro; que tenham olhos só um para o outro; que aja respeito, honra, cuidado, proteção, carinho, com paciência e cooperação mútua; que tratem com carinho, com paciência e com muito amor; que sejam companheiros em todos os momentos da vida; que se preocupem com a felicidade um do outro; que a estima seja grande um para com o outro; considere, depois de Deus, o cônjuge a pessoa mais importante em suas vidas; que a mulher seja a única na vida do homem e bem como, o homem seja o único na vida da mulher.

novembro 14, 2017

FAÇA O BEM SEM ESPERAR UM VINTÉM


FAÇA O BEM SEM ESPERAR UM VINTÉM
Autor: Pr Flávio da Cunha Guimarães

Fazer o bem ou a caridade a alguém, não é e não deve ser, com a intenção de sermos glorificados, exaltados, louvados e recompensados, principalmente em relação a perdão de pecados e a salvação eterna. Se fazer o bem salvasse, Jesus Cristo não precisaria ter morrido, em uma cruz, de maneira algoz e desumana. Fazer o bem deve ser tão somente por amor ao próximo, ao Senhor Jesus e para a glória do Senhor DELE.

Imagem do Google

Disponível em: https://www.google.com.br/search?q=Imagem+para+caridade&newwindow=1&safe=active&tbm=

Acessada em: 14/11/2017

O adágia popular: “Faça o bem sem olhar a quem”, que algumas pessoas citam e dizem que está na Bíblia, o que não está. O que está na Bíblia, e, é semelhante, é o que lemos em Gálatas 6:10: “Então, enquanto temos tempo, façamos bem a todos, mas principalmente aos domésticos da fé”.

Fazer o bem ou a caridade a alguém, não é e não deve ser, com a intenção de sermos glorificados, exaltados, louvados e recompensados, principalmente em relação a perdão de pecados e a salvação eterna. Se fazer o bem salvasse, Jesus Cristo não precisaria ter morrido, em uma cruz, de maneira algoz e desumana. Fazer o bem deve ser para a glória do Senhor Jesus. Todavia, muitos de nós já fizemos o bem e a caridade, pensando, não no bem e porque amamos verdadeiramente o próximo, mas para o nosso próprio benefício, para o perdão de nossos pecados, para a nossa salvação e por amor próprio.

Por outro lado, há os que já fizeram o bem e ajudaram alguém em um ato de bondade ou de caridade. Fizeram isso com a melhor das intenções, como prova de seu amor, carinho e consideração a quem ajudaram. Fizeram porque queriam o melhor, principalmente para que a pessoa amada e querida não sofresse. Visto que, quando a pessoa amada e querida sofre, os ente queridos sofrem também, principalmente se é alguém da família.

Todavia, nem sempre o bem que fazemos para as pessoas a quem amamos, reconhecem, valorizam e retornam a nós o que receberam de nossa ajuda. Pode até mesmo ocorrer que depois de ajudarmos, as pessoas, elas se afastem de nós; sejamos rejeitados, desprezados, julgados, condenados, xingados, ofendidos por elas; tornem-se nossas inimigas e falem mal de nós. Já aconteceu com você? Conosco já aconteceu e não foi com uma só pessoa.


Imagem do Google

Disponível em: https://www.google.com.br/search?q=Imagem+para+ingratidão&newwindow=1&safe=active&source=lnms&tbm=

Ingratidão

Tal atitude é uma tremenda ingratidão, mas a ingratidão é real e ela existe. Se é real e existe, logo, todos nós estamos sujeitos a ela e sua ação. Essa ingratidão nos faz pensar, em quantos fariseus existem em nossos dias, em nosso meio, a começar pelos nossos familiares e em nossas igreja. A ingratidão de ente querido doe e doe muito! Quando essa ingratidão acontece, e, mesmo nós sabendo que acontece, é decepcionante e é revoltante. Por que é revoltante? Por que queremos, ainda que de maneira inconscientes, o sermos valorizados, reconhecidos e haja gratidão! Quando não há a gratidão, a valorização e o reconhecimento, decepcionamos, entristecemos e até revoltamos. O que não deveria. Não deveria porque tudo o que fazemos é para a glória do Senhor Deus e não nossa. A prática da caridade é mandamento do Senhor Deus desde Antigo Testamento: “Quando também fizerdes a colheita da vossa terra, o canto do teu campo não segarás totalmente, nem as espigas caídas colherás da tua sega”, (Levítico 19:9; 23:22 e Deuteronômio 24:19).

Como humanos, que somos, é até normal a decepção, o entristecer e o revoltar. O que não pode ser normal e não pode acontecer, são tais sentimentos atrapalharem e afetarem nossas vidas conjugais, familiares, nosso trabalho secular, o trabalho de evangelização, principalmente a vida com Deus e vivermos mal-humorados, resmungando e remoendo essas coisas.

Não deveríamos esperar receber dos homens qualquer reconhecimento, louvor, honra, glória ou recompensa dos homens, mesmo porque o verdadeiro reconhecimento, louvor, honra e glória, não vem dos homens, mas do Senhor. Esse reconhecimento e recompensa são o que valem. Os homens fingem e mentem, mas o Senhor Deus jamais!

Toda falta de valorização, de reconhecimento e de gratidão, aconteceu da porte dos líderes religiosos de Israel para com o Senhor Jesus Cristo. Ele foi quem mais o bem fez em prol dos desvalidos, mas foi o mais rejeitado de todos os líderes religiosos. O texto de Mateus 12:22-32 fala de maneira clara a esse respeito. Os Vs. 22-23 falam do bem que Ele fez a uma pessoa possessa que trouxeram a Ele. Possuída por um demônio, um espírito mau, cega e muda. O tripé de possessão demoníaca, cegueira e mudez, forma uma trindade má ou do mal, que afeta diretamente o ser humano, em suas três áreas, como: Área espiritual, física e emocional.


A cura:

A cura foi tão maravilhosa, fenomenal e extraordinária que a multidão ficou tão admirada que ficou em estado como se estivesse fora de si e com uma grande emoção. Se perguntando: Será que é verdade o que vimos! É isso mesmo! Tão grande e extraordinário era o milagre!


Imagem do Google

Disponível em: https://www.google.com.br/search?q=Imagem+para+ingratidão&newwindow=1&safe=active&source=lnms&tbm=

A ingratidão para com o Senhor Jesus:

O V. 24 diz que os fariseus disseram que Jesus expulsou o demônio, curou da cegueira e mudez pelo espírito de Beelzebu. Ao meditar sobre tal episódio, pensamos no contraste entre a reação da multidão em relação a atitude dos fariseus incrédulos, materialistas, mesquinhos, orgulhosos, invejosos, ciumentos, carentes e murmuradores, se opondo ao Senhor Jesus, depois de todo o bem que Ele fez a um infeliz, a cura espetacular ao endemoniado, cego e mudo. Ao invés de louvarem, exaltarem, glorificarem e agradecerem ao Senhor Jesus, os fariseus preferiram sentenciar a Cristo com uma crítica maléfica. O que dá para entender é que os fariseus queriam humilhar, acusarem sem causa, rejeitarem deliberadamente, julgarem de maneira injusta, condenarem sem prova, falarem mal de um inocente, xingarem e ofenderem o Senhor Jesus propositadamente. Não reconhecerem, não valorizaram e não retribuíram o bem que Jesus Cristo estava fazendo a um patriota deles.


A ingratidão ainda continua em nossos dias para com o Senhor Jesus Cristo.

As pessoas, de um modo geral, não se importam com a morte do Senhor Jesus Cristo na cruz do Calvário. Não perguntam por que e para que Ele morreu naquela cruz! Foi para fazer o bem a todos nós, para trazer perdão e salvação que Ele sujeitou tamanha humilhação. A maioria continua ignorando e desprezando, não só o sacrifício de Cristo na cruz, mas a Própria pessoa do Senhor Jesus e toda a sua obra redentora. Desprezando e rejeitando o seu Evangelho. O que o Senhor Jesus já sabia. “Quem vos ouve a vós, a mim me ouve; e quem vos rejeita a vós, a mim me rejeita; e quem a mim me rejeita, rejeita aquele que me enviou”, (Lucas 10:16 e João 12:48). A língua original, o grego, traz a ideia que é uma rejeição continuada e para sempre. Não é isso que está ocorrendo no presente momento e de maneira mundial?


Já sabia

Jesus Cristo já sabia que a recompensa não viria de todos os homens, ainda que diante dos milagres, a multidão que o seguia, ficou maravilhada e glorificou a Deus Pai. Ele sabia que a verdadeira recompensa e glorificação viria de Deus Pai, como Ele mesmo diz em João 8:54: “Jesus respondeu: Se eu me glorifico a mim mesmo, a minha glória não é nada; quem me glorifica é meu Pai, o qual dizeis que é vosso Deus”, (João 11:4; 12:23 e 16:14). O assentar a direita de Deus Pai, é uma honra imensurável e foi o que aconteceu com o Senhor Jesus Cristo, “[...] e assentou-se à destra do trono de Deus”, (Hebreus 12:2; Salmo 110:1; Romanos 8:34 e Marcos 16:19).


Concluindo:

A diferença quanto a nossa reação em relação a recompensa, o reconhecimento e o receber as glórias, comparando ao Senhor Jesus, não está só em Jesus Cristo ser o filho de Deus, nós o somos também, (João 1:12; Tito 3:7 e Gálatas 4:4-7). A grande diferença está no agir e no reagir ao recebermos ou não recebermos as glórias. Jesus disse a verdade e a verdade é sempre dura, (Mateus 12:25-28), mas Ele disse com amor e ternura no coração, sem ressentimentos e mágoas. Nós ficamos magoados, ressentidos e tristonhos. Precisamos aprender com o Senhor Jesus, a darmos respostas verdadeiras, porém, com amor e ternura. Precisamos aprender também a fazermos o bem sem a intensão de recebermos a recompensa dos homens, mas de Deus Pai. Contentemos com a recompensa do Senhor, essa é certa, verdadeira e ela basta!


Bibliografia:

1 – BOYER , Orlando S. Pequena Enciclopédia Bíblica. 7ª Ed. Editora Vida, Miami Flórida USA, 665 p.

2 – JUNIOR, Luder Whitlock. Bíblia de Estudo de Genebra. São Paulo e Barueri. Cultura Cristã e Sociedade Bíblica do Brasil, 1999, 1728 p.

3 – MOULTON, Harold K. Léxico Grego Analítico. Trad. Everton Aleva de Oliveira e Davi Miguel Manço. Ed. Cultura Cristã, 2007, São Paulo, 460 p.

4 – OLIVEIRA, Marcelo Ribeiro de. Bíblia Sagrada Versão Digital 6.7 Freewere. 2014. Disponível em: . Acesso em: 15 dez. 2014.

5 – RIENECKER, Fritz e Cleon Rogers. Chave Linguística do Novo Testamento Grego. Trad. De Gordon Chown e Júlio Paulo T. Zabatiero. 1985, Ed. Sociedade Religiosa Edições Vida Nova, São Paulo, 639 p.

6 – SCHOLZ, Vilson e Roberto G. Bratcher. Novo Testamento Interlinear Grego – Português. 1ª Edição. Barueri, SBB, 2008, 979 p. e,

7 – SHEDD, Russell Philip. Bíblia Vida Nova. Traduzida por João Ferreira de Almeida. Editora: S. R. Edições Vida Nova, 2ª Ed. São Paulo, 1978, A T 929 p.

outubro 31, 2017

FIM DA ESCREVIDÃO RELIGIOSA


FIM DA ESCREVIDÃO RELIGIOSA
Pastor Flávio da Cunha Guimarães



O catolicismo se libertou do catolicismo depois da Reforma de Lutero.

Imagem do Gloogle



Disponível em://www.google.com.br/search?q=Imagem+de+lutero&newwindow=1&safe=active&source=lnms&tbm=isch&sa=X&ved=0ahUKEwjXzeKyxJvXAhVMlJAKHdlaCfwQ_AUICigB&biw=1366&bih=637#imgrc=3Brab83eyiUAjM:

Acessada em: 31/10/2017

INTRODUÇÃO

Apesar da festa de Halloween ser muito antiga, dizem os entendidos no assunto, que é de origem Celta, todavia, não era difundida e tão conhecida mundialmente como o é em nossos dias. Os americanos se encarregaram de propagarem a festa das bruxas, e no Brasil as TVs, a principal é a Rede Globo, se encarregaram de difundir, por ser ela uma defensora do espiritismo, e as escolas de ensino fundamental, sufocando assim, um dos grandes eventos da Cristandade e da história, que é a Reforma Luterana, ou Reforma Religiosa ou ainda a Reforma Protestante, que faz aniversário de 500 anos (quinhentos anos), neste 31 de outubro de 2017. Por que a mídia em geral não dá ênfase a Reforma Protestante e sim a festa das mascaradas? Por que não dá Ibope? Por que contraria a convicção da maioria da sociedade? Por que há preconceitos em relação aos protestantes?


Objetivo da Reforma Luterana:

O mundo vivia debaixo da escravidão teológica, dogmática, religiosa e a exploração da “boa fé” da população, ditada pela Igreja Católica Apostólica Romana, ha séculos, de maneira que o povo gemia diante de tanta opressão, repressão e exploração financeira! A Igreja Católica, vendia o perdão dos pecados para os que estavam no purgatório e para os vivos também, pecados passados, presentes e ainda os que viriam cometer e praticarem futuramente. É o que diz a Tathyana Zimmermann Fernandes quando afirma: “uma vez que os clérigos corruptos passaram a cobrar uma quantia em dinheiro para conceder o perdão dos pecados, vendendo as indulgências, que seriam "papéis" ou "títulos" que, supostamente, livrariam os fiéis de seus pecados” (1). O Professor de História da Igreja Católica e Doutor em Engenharia Mecânica, Felipe Aquino, católico professo, fala sobre a indulgência da seguinte maneira: “podemos ajudá-los obtendo para eles indulgências, para libertação das penas temporais devidas por seus pecados. Pelas indulgências, os fiéis podem obter para si mesmos e também para as almas do Purgatório, a remissão das penas temporais, seqüelas dos pecados” (2). Prática essa que atingiu o auge no papado de Leão X que esteve no Vaticano de (1513 a 1521). Quem se levantasse contra as práticas absurdas do clero em protesto, era considerado inimigo de Roma, traidor, herege e rebelado contra o sistema católico, portanto, levado a juízo ao tribunal da inquisição e na maioria era pena de morte.

Quando começou?

Começou por volta do IV século d C, foi modelando, no decorrer dos séculos, ao ponto de em 1517, ano da Reforma Protestante ou Religiosa, se tornar um comércio religioso descarado, vergonhoso e escandaloso. A igreja católica vendia, desde o perdão dos pecados, pedaços de ossos de apóstolo ao melhor lugar no céu, até um lugar ao lado de Deus. Cada moeda que caia no ofertório, era uma alma que ia para o Céu. Fazia-se filas e mais filas, de fiéis, para ofertarem no cofre das indulgências. “O Livro Negro do Cristianismo”, de autoria de: Laura Malucelli, Jacopo Fo e Sérgio Tomat traz uma listra de 35 itens de pecados que poderiam comprar o perdão. A igreja católica dizia que podia comprar o perdão de qualquer tipo de pecado ou crime.

Apesar da igreja católica já ter reconhecido esses erros monstruosos, falhas, desvios teológicos, doutrinários e pedido perdão, todavia essa cultura ficou enraizada na mente da sociedade, de que ao ofertar para fins de caridade, tal prática contribui para o perdão dos pecados e a salvação do pecador, isso tanto no catolicismo, espiritismo kardecista e em meio alguns seguimentos protestantes.

Os perigos para o Cristianismo:

1 – Essa prática, do catolicismo, era um incentivo as pessoas a pecarem, de maneira premeditada, com a falsa confiança que poderiam comprar o perdão dos pecados através da igreja.

2 – A Igreja Católica arrogava e ainda arroga, para si, o direito de perdoar e de remir os pecados de seus fiéis. Portanto, se colocando no lugar de Jesus Cristo, desprezando todo o martírio e sacrifício DELE na cruz do Calvário para nos redimir de nossos erros, pecados e crimes, contrariando os ensinamentos das Escrituras que dizem que Jesus Cristo morreu para nos redimir de nossos pecados, (Lucas 1:68; Lucas 24:21 e Romanos 8:21).

3 – Se a igreja pode perdoar os pecados, Jesus Cristo não precisava morrer em uma cruz. Deus deveria ter criado a igreja e poupado o Próprio Filho da morte horrível na cruz.

4 - Essa prática feria e fere frontalmente as Escrituras, visto que as mesmas dizem que só Jesus Cristo pode perdoar pecados, (Marcos 2:5-10 e Mateus 9:6). A Bíblia diz que todos pecaram e foram destituídos da glória de Deus (Rom 3: 23). Se todos pecaram, como pode um pecador perdoar pecados de outrem? Só podemos perdoar alguém que nos prejudicou, que nos ofendeu e que nos causou males (Efésios 4:32). Jesus diz isso de maneira clara em (Mateus 18:21-22). Mas o pecado nosso, a nossa transgressão dos ensinos divinos só Deus, em Cristo, pode nos perdoar. A oração do “Pai Nosso” é clara, (Mateus 6:12,14-15). Os homens de Deus tiveram essa consciência que só Deus em Cristo pode perdoar os pecados da humanidade, (Êxodo 32:32; Atos 7: 60; Daniel 9: 19; Salmos 130: 4; I Coríntios 15: 3 e I João 1: 8).


CONCLUSÃO

Foi contra todo esse abuso religioso, que Martinho Lutero se levantou, com outros reformadores, como João Calvino, em 31 de março de 1517, iniciando-se, ali, a Reforma chamada de Protestantismo para os cativos da escravidão religiosa do clero. O protestantismo forçou o próprio catolicismo se libertar do catolicismo arcaico, opressor, clerical, preso nos templos e com práticas violentas, para um catolicismo mais moderno, mais humano, mais justo, mais do povo e para o povo. Mudou a homilia; as missas em latim para a língua de cada país; da proibição da leitura da Bíblia para a leitura da mesma; o uso dos cânticos de louvor e adoração nas missas; do catolicismo apostólico romano para também o catolicismo apostólico brasileiro; do catolicismo tradicionalista para o catolicismo pentecostal e mudou a metodologia das missas. Mas a essência que precisa mudar, essa não mudou. Continua achando que o papa não tem pecado, que ele pode perdoar pecados, que Maria pode salvar e por isso que a adoram.

(1) Tathyana Zimmermann Fernandes

Extraído de: http://prof-tathy.blogspot.com.br/2009/06/indulgencia.html

Acessado em: 31/10/2017.

(2) Felipe Aquino

Extraído de: https://formacao.cancaonova.com/igreja/doutrina/indulgencias-significado-e-uso/

Acessado em: 31/10/2017.

julho 10, 2017

QUE MÚSICA CANTAREMOS?


QUE MÚSICA CANTAREMOS?
Êx. 15:20-21 e At. 16:22-25

Pastor Flávio da Cunha Guimarães


Há os que não cantam quando estão bem, nem quando estão maus. Há os que não cantam quando estão mal, mas cantam quando estão bem. E há os que cantam quando estão bem ou maus. E nós cantamos quando estamos o que?

Imagem do Google.

Disponível em: https://www.google.com.br/search?q=Imagem+de+louvor&newwindow=1&safe=active&source=lnms&tbm=isch&sa=X&ved=0ahUKEwij8Mbc7__UAhUCxpAKHd1WDZQQ_AUICigB&biw=1366&bih=662#newwindow=1&safe=active&tbm=isch&q=Imagem+de+louvor&chips=q:imagem%20de%20louvor,g_2:congregacional&imgrc=_

Acessada em 10/07/2017

Cantar quando tudo está bem, é fácil e é tranquilo; difícil, é cantarmos quando estamos debaixo da disciplina de Deus, debaixo dos problemas, debaixo dos sofrimentos, debaixo da dor, debaixo das investidas de Satanás contra nós, para nos destruir como tentou destruir Jó. Assim como Jó (Capítulos 1 e 2) não foi aliviado por Satanás, nem por isso ele foi destruído, sua fé também não; ele não desistiu de crer e nem de Deus; nós também não seremos aliviados por Satanás, não seremos destruídos, nem desistiremos de crer nas providências de Deus, de sua bondade, de seu amor e de sua misericórdia, se formos fieis, a Ele, como Jó o foi.

Diante do quadro exposto acima há aqueles que preferem reclamar, resmungarem, blasfemarem, culparem a Deus ou a alguém de seus sofrimentos e vivem mal humorados, de mal com a vida, do que louvarem, cantarem, crerem, serem fieis a Deus como Jó e Paulo e Silas. Que culpa tem Deus de nossos pecados? De nossos erros? De nossas decisões impensadas, precipitadas e imprudentes?

Há aqueles que não cantam quando estão debaixo da disciplina de Deus. Debaixo das consequências de seus erros, decisões imprudentes, precipitadas e pecados. É o caso do povo de Israel na escravidão da Babilônia. O Sal. 137:1-4 nos diz que quando os israelitas estavam cativos na Babilônia, estavam tristes, abatidos, depressivos, desmotivados, saudosos de sua terra, a Jerusalém, que agora só restava lembranças dela. Por que estavam cativos lá? Por que distanciaram do Senhor Deus, em seus pecados abomináveis. No sofrimento, não tinham ânimo para cantar. Por que não fizeram por onde não chegarem e estarem lá na escravidão da Babilônia? Diz o Salmo 137 que o povo estava chorando, pendurara as harpas nos salgueiros, negaram a cantar as suas canções de Sião e alegrarem os corações dos babilônicos. A maioria de nós é assim! Os problemas roubam a nossa alegria e o nosso louvor ao Senhor.

Imagem do Google

Disponível em: https://www.google.com.br/search?q=Imagem+de+pessoa+com+problemas&newwindow=1&safe=active&source=lnms&tbm=isch&sa=X&ved=0ahUKEwipkLi08f_UAhUDNJAKHY_mArUQ_AUIBigB&biw=1366&bih=613#imgrc=Ge0nlJ5Qj9Uu_M:

Acessada em: 10/07/2017

Cabe então uma pergunta: Que glória há em cantarmos em meio a alegria e bênçãos? Quando tudo está bem? Após a chegada das bênçãos? Isso todos fazem! O que a maioria não faz, é cantar quando está tudo muito difícil. Quando paira um nuvem negra sobre as cabeças.

Miriã cantou junto com as mulheres israelitas após a travessia do Mar Vermelho, Êx. 15:20-21. Por que não cantaram antes, quando estavam entre o Mar Vermelho e o exército de Faraó? Ali, por certo, estavam em aperto, ansiosos, nervosos, tensos e angustiados. É importante cantarmos após as vitórias? Sim! Mas cantarmos nas derrotas, quando tudo vai mal, é aí que está a grandeza da fé! A grandeza da esperança! A grandeza da alma do ser humano! A grandeza da vida com o Senhor, o que é diferente da maioria!

Ana contou após o nascimento de seu filho, Samuel. É o que nos diz I Sam. 1:67-80. Todavia, antes de engravidar, Ana chorava, não comia, o seu coração estava mal, com amargura de alma, atribulada de espírito, desgostosa, tristeza na alma, I Sam. 1:7-10,15-18. De igual modo, Zacarias cantou após o nascimento de seu filho, João Batista, Luc. 1:67-80. Por que não cantaram antes da gravidez e do nascimento de seus filhos?

A grande virtude, o bacana, a glória, se é que há glória para os homens; está em cantarmos, não quando tudo vai bem, mas quando estamos debaixo da disciplina de Deus, debaixo dos problemas, debaixo dos sofrimentos, debaixo da dor, debaixo das investidas de Satanás contra nós para nos destruir, debaixo das provações, provocações e privações. É aí que demonstramos quem somos, cantarmos quando vai tudo muito mal. Quando os nossos sonhos são destruídos e vão de água abaixo. Aí é difícil. Mas é aí que somos convidados a cantar para demonstrarmos a grandeza de nosso espírito e de nossa fé. É aí que precisamos reunir forças de onde não há mais forças, para cantarmos ao Senhor nas horas mais adversas possíveis.

O legal é cantarmos em meio ao sofrimento, com esperança de dias melhores! Com certeza que o Senhor está no controle de tudo! Que Ele está permitindo o sofrimento porque Ele quer o melhor para nós! Que Ele nos ama, o que nem sempre entendemos assim! Que o sofrimento passará! Sabendo que a vitória está de nosso lado! Na certeza que a vitória virá como o sol que nasce todos os dias! Mesmo em sofrimento, cantaremos com alegria na alma? Estamos nós cantando enquanto a dor e os sofrimentos não passam?

Seria masoquismo cantarmos nas horas em que estamos debaixo da disciplina de Deus, debaixo dos problemas, debaixo dos sofrimentos, debaixo de dor, debaixo das investidas de Satanás contra nós para nos destruirmos? Debaixo das provações? Como cantarmos nessas horas de dor e sofrimento? Não é masoquismo! Isso é certeza e convicção que o Senhor Jesus está no comando de nossas vidas. Se é masoquismo, então o Apóstolo Paulo e Silas eram masoquistas. Nos diz At. 16:22-25 que eles tiveram as roupas rasgadas. Isso para um judeu era uma tremenda humilhação. Foram surrados de vara em grande quantidade. Foram presos sem dever. Lançados na prisão. Lançados significa que foram jogados com violência na prisão. Com os pés presos em tronco demonstra que eram presos perigosos. Mas que perigo ofereciam anunciando a mensagem de salvação? Mesmo assim oravam e cantavam ao Senhor na prisão. Em lugar deles faríamos o que? Para mim, não era masoquismo, e sim, certeza que ali estavam, ainda que em sofrimento, ali estavam para a glória de Cristo, o que de fato glorificaram. Ali estavam em plena comunhão com o Senhor Jesus. Ali estavam desfrutando de uma íntima relação com o Senhor e salvador, a ponto de amenizar a dor que sentiam. A dor era de menos diante dos propósitos de Jesus Cristo para eles e para os ouvintes ao alcance da voz deles.

Imagem do Google

Disponível em: https://www.google.com.br/search?q=Imagem+de+pessoa+com+problemas&newwindow=1&safe=active&source=lnms&tbm=isch&sa=X&ved=0ahUKEwipkLi08f_UAhUDNJAKHY_mArUQ_AUIBigB&biw=1366&bih=613#newwindow=1&safe=active&tbm=isch&q=Imagem+de+pessoa+feliz&imgrc=_

Acessada em: 10/07/2017

Precisamos entender os propósitos, do Senhor Jesus, para as nossas vidas, para que cantemos ao Senhor Jesus independente de qualquer situação. Se sofremos é para a glória do Senhor Jesus. Se não sofremos é para a glória do Senhor. Se cantamos no sofrimento é para a glória de Jesus Cristo. Mas se não cantamos não há nenhuma glória. Glorifiquemos, pois, ao Senhor Jesus em nossas vidas e com o nosso louvor, ainda que estejamos em sofrimento, amém!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

FALE CONOSCO

Nome:


Email:


Assunto:


Mensagem:


PAZ VERDADEIRA SÓ EM JESUS! Jo. 14:27 "Deixo-vos a paz, a minha paz vos dou..."