Versículo do Momento

LEIA A BÍBLIA

Rádio Gospel Agradecer.

dezembro 20, 2016

O NATAL DE JESUS CRISTO DA HISTÓRIA NA HISTÓRIA

O NATAL DE JESUS CRISTO DA HISTÓRIA NA HISTÓRIA
Autor: Pastor Flávio da Cunha Guimarães

Imagem do Google
Disponível em: https://www.google.com.br/search?q=simbolos+de+natal&newwindow=1&espv=2&biw=1517&bih=708&tbm=isch&tbo=u&source=univ&sa=X&ved=0ahUKEwiY1bSF54PRAhUT22MKHf9IBrkQsAQIJw#newwindow=1&tbm=isch&q=Nascimento+de+Jesus

Acessada em: 20/12/2016

Este post tem como objetivo, esclarecer os leitores, que Jesus Cristo não nasceu dia vinte e cinco de dezembro, como usualmente se comemora, pois nesse período é inverno rigoroso na Palestina e os pastores estariam recolhidos com os rebanhos em locais cobertos e fechados, como as baias e não estariam nos campos como descreve o Evangelho de Jesus Cristo, em que Lucas escreveu, (2:8-20). Se não podemos saber o dia de seu nascimento, pelo menos podemos achar aproximadamente o mês em que Ele nasceu.

Partindo dos relatos bíblicos que estão adiantes, concluímos que o nascimento de Jesus Cristo se deu entre maio a julho de nosso calendário, portanto, no verão de Canaã.

Antes, porém, de tratarmos de quando Jesus Cristo nasceu, vejamos o Jesus Cristo da história. O Jesus da história começa em (Gên. 3:15). Jeová está falando da vinda de Jesus Cristo para derrotar a serpente que é o Diabo, (Ap. 12:9 e 20:2). Bem como o (Sal. 22:1,16 e 18) é uma referência claríssima sobre Jesus Cristo que se cumpriu em sua crucificação, (Mat. 27:35, 46 e João 20:25). Em se tratando de (Isaías. 7:14) o que se cumpriu em (Mat. 1:23 e Luc. 1:27), bem como (Isaías. 9:6-7) está se falando de Jesus Cristo. Quando lemos (Zac. 9:9) retrata a entrada triunfal de Cristo em Jerusalém, o que se cumpriu literalmente em (Mat. 21:5-7). Jesus Cristo entrou em Jerusalém em um jumentinho porque era o animal que simbolizava a paz, assim como o cavalo era o símbolo da guerra.

Vimos acima o Jesus Cristo da história, agora queremos fazer uma abordagem do Jesus Cristo na história. Em (Luc. 1:26-38) o anjo anuncia a Maria que ela engravidará e dará à luz um filho, sendo ela ainda virgem, que se chamará de Jesus e será filho do Altíssimo, o que se cumpriu em (Luc. 2:1-7).

O Jesus Cristo na história fazendo história na vida das pessoas. Quando lemos (Luc. 2:8-20) encontramos os pastores tendo uma visão em que lhes aparece um anjo trazendo novas de grande alegria, louvores celestiais como os pastores que vão a Belém, voltam louvando e glorificando ao Senhor. Além disso, (Mat. 2:1-12) diz que uns magos saíram do Oriente para Jerusalém, para visitarem o Jesus que nascera como Rei dos judeus, trazendo presentes para um rei que era “ouro, incenso e mirra”. O Jesus Cristo na história nasce com o status de Rei, que é o cumprimento do (Sal. 132:11-12). O Jesus Cristo na história perturbou o rei Herodes e alvoroçou a cidade de Jerusalém com ele, o que é descrito em (Mat. 2:3). O Jesus Cristo na história atraiu e atrai multidões a Ele, o que Ele mesmo disse em (João 12:32) e o que descreve (Mat. 21:8-11). Quando admoestado pelos fariseus em (Luc. 19:39-40) que mandasse a multidão parar de louvar com entusiasmo e alegria, a resposta foi que se eles parassem, as pedras clamariam. O Jesus Cristo na história, alvoroçou a cidade inteira, além dos milhares que vieram de outras cidades e regiões, para a Festa da Páscoa. Ele foi capaz de mudar a rotina e dar outro rumo a festa ao ser crucificado, (Mat. 27:24; Luc. 23:18). O Jesus Cristo na história dividiu o calendário em antes e depois de Cristo, o que nenhum outro líder nascido na forma humana foi capaz de fazer.

A GERAÇÃO E O NASCIMENTO DE JESUS CRISTO DA HISTÓRIA NA HISTÓRIA

A fecundação se deu assim de acordo com os relatos bíblicos. Os sacerdotes serviam no templo, divididos em vinte e quatro turnos. Cada turno por uma semana. Zacarias estava no turno de Abias, (Luc. 1:5), a turma de Abias era a oitava semana conforme (I Cron. 24:10). O ano judaico religioso começava com a Páscoa no mês de Abibe ou Nisã (Êx. 23:15; Deut. 16:1; Neem. 2:1 e Et. 3:7), que corresponde os nossos meses de março-abril. A oitava semana se dava mais ou menos no meado de Abril. O mês que Isabel engravidou é incerto, mas de acordo com (Luc. 1:24) que fala “depois desses dias”, que eram os dias que Zacarias estava ministrando no templo e o anjo apareceu a ele anunciando o nascimento de João, o Batista. Dias no greto (ἡμέρας – hemeras), significa um dia, o intervalo entre o nascer e o pôr do sol. O intervalo de vinte e quatro horas, abrangendo dia e noite. Depois desses dias, são alguns dias e não alguns meses. Isso significa que não foi um período longo para Isabel engravidar. Portanto, Isabel engravidou ainda no mês de Abibe ou Nisã = (Março-Abril) nosso, ou no máximo no mês de Zive ou Ijar, (Abril-Maio) nosso. Se contarmos os meses de Abibe, Zive, Sivã, Tamuz, Abe o sexto se dará no mês de Elul = Agosto-Setembro nosso. Se contarmos a partir do mês de Zive, Sivã, Tamuz, Abe, Elul o sexto mês se dará em Etanim, que corresponde Setembro-Outubro nosso. Se Maria engravidou seis meses após a gravidez de Isabel, (Luc. 1:26,36) sua prima, o que se dará no mês de Elul ou Etanim que são os meses de (Agosto-Setembro ou Setembro-Outubro) nosso. Se contarmos nove meses a partir de Elul = Agosto-Setembro, logo, nove meses após, ou seja, o nascimento de Jesus Cristo se deu no mês de Sivã = Maio-Junho nosso. Se contarmos os nove meses a partir do mês de Etanim = Setembro-Outubro nosso, o nascimento do Senhor Jesus Cristo se deu no mês de Tamuz = Junho-Julho nosso. Então, o Senhor Jesus nasceu no final da primavera ou início do verão em pleno calor de Canaã e no final de nosso outono para o início do inverno.

Imagem do Google
Disponível em: https://www.google.com.br/search?q=simbolos+de+natal&newwindow=1&espv=2&biw=1517&bih=708&tbm=isch&tbo=u&source=univ&sa=X&ved=0ahUKEwiY1bSF54PRAhUT22MKHf9IBrkQsAQIJw#imgrc=_

Acessada em: 20/12/2016

Apesar que as pessoas, de um modo geral, se preocupam mais com o dia do nascimento do Senhor Jesus, do que com o mês e o ano. Todavia, o ano do nascimento de Cristo que foi estabelecido, está errado mais ou menos de quatro a seis anos antes de Cristo. Pelos estudos sobre a morte de Herodes, o Grande; o Eclipse lunar que ocorreu em doze ou treze de março do ano 750 da fundação de Roma; a data que o Monge Dionísio Exíguo já no sexto século d C, encarregado pelo papa João I (470-526) para compilar o calendário cristão para a Páscoa. Naquele tempo a data era calculada com base no Calendário juliano e a contagem era feita a partir do início do reinado do Imperador romano Caio Aurélio Valério Diocleciano, um perseguidor ferrenho dos cristãos. Ele governou cerca de 284 a 305 d C. Para achar o ano zero do nascimento de Cristo, podemos dizer que ele errou por 4 a 6 anos aproximadamente porque não observou que o Imperador CAIO JÚLIO CÉSAR OTÁVIO AUGUSTO, que reinou de 43 a C a 14 d C e reinou absoluto de 27 a C a 14 d C. Em seu reinado é que nasceu o Senhor Jesus Cristo. TIBÉRIO CLÁUDIO NERO, seu filho que o substituiu, reinou de 14 a 37 d C, portanto, em seu reinado aconteceu a crucificação do Senhor Jesus. Só que ele começou a reinar quatro anos antes da morte do pai, pois ficara enfermo e Dionísio Exíguo, baseou a data na morte do imperador para o início do reinado do filho. O papa Gregório XIII (1502-1585) não satisfeito ainda com o calendário existente em seus dias, fez com que “convocasse o jesuíta e matemático germânico Christoph Clavius (1537-1612) para verificar e corrigir os cálculos do calendário cristão/juliano, criando então o nosso atual calendário, também chamado de calendário gregoriano (1582), destinado a corrigir o calendário juliano/cristão, que então acumulava uma diferença de dez dias. No final do século XIX, quando a contagem cronológica da História pelo sistema Dionísio Exíguo já estava difundida e uniformizada pelo mundo, descobriu-se um erro de cálculo de 4 a 6 anos para trás. Como parece ser fidedigna a data da morte de Herodes (4 a. C.) na contagem gregoriana, alguns historiadores afirmam que Jesus, seguramente, nasceu antes desta data, e frequentemente são encontrados textos dando como data do nascimento do fundador do cristianismo dois anos antes (6 a. C.)”, Autor? Disponível em: http://www.dec.ufcg.edu.br/biografias/DionisiM.html. Acessado em: 16/12/2016. O ano provável do nascimento de Cristo, de acordo com o calendário de fundação de Roma, é 746 a 749. Jesus nasceu no final da primavera ou verão de Canaã de 746 a 749, no ano 4 ou 5 a C. Isto é, antes do ano zero que estabeleceu. Portanto, o nosso calendário não é 2016, mas 2020 ou 2021.

Ainda que o Evangelho de Jesus Cristo que Lucas escreveu, (Luc. 2:2) diz que foi o primeiro recenseamento, o que é um acréscimo aos originais, o que incluiu o acréscimo pode ter se equivocado, pois à história secular e os escritores pagãos afirmam que houve três recenseamentos nos anos de: 726, 746, e 767 de Fundação de Roma. Quirino governou a Síria por duas vezes, o primeiro governo foi de 10 a 7 a C, quando se deu o primeiro recenseamento. O segundo reinado foi no ano 5 d C quando decretou o pagamento dos impostos, daí o recenseamento. Logo, foi em seu segundo reinado que Jesus Cristo nasceu.

Esclarecido, pois, os assuntos obscuros acima, passemos a considerar que a maior parte dos cristãos se interessa mais pelo dia do nascimento de Jesus do que pelo ano. Não é possível determinar com certeza o dia, o mês e o ano de seu nascimento; mas com certeza não é dia 25 de Dezembro, pois é inverno muito rigoroso na Palestina e os pastores não estariam em campo aberto ou nas montanhas à noite com os rebanhos, pelo contrário, os rebanhos estariam encurralados no período de novembro a março. Há várias datas sugeridas pelos autores antigos: Clemente de Alexandria que nasceu cerca de 150 d C e morreu cerca de 215-217 d C, diz que é vinte de maio. Tertuliano que viveu entre 160 a 220 d C, a coloca vinte de abril. Watson e Allen dizem que se fosse possível afirmar uma data do nascimento de Jesus Cristo, seria no verão ou no início de outono de 749 do calendário romano, data essa que estamos de acordo. WATSON e ELLEN, 1979, P. 231-234)

Lucas conta à história do nascimento de Cristo da perspectiva de Maria, o Filho de Deus da linhagem do rei Davi. Mateus tem o propósito apologético ao relatar o nascimento de Jesus. Ele queria amenizar a calúnia judaica de que Jesus Cristo nascera como filho ilegítimo, (Jo. 8:41). Mateus quer mostrar o cumprimento da profecia de Isaías acerca do nascimento virginal, o que Maria não continuou virgem para sempre, (Mat. 1:25; Luc. 2:7; Mar. 3:31-32; Mat. 13:55-56; Atos 1:14 e Gál. 1:19), com o devido esclarecimento. Quando a Bíblia usa a palavra “Unigênito”, Ela se refere a Jesus Cristo como o Único filho de Deus. Quando Ela usa a palavra “primogênito”, Ela está se referindo o primeiro filho de vários outros filhos. É o caso de (Mat. 1:25; Luc. 2:7; Rom. 8:29 e Heb. 11:28). Para isso conferimos o que dizem (João 1:14,18; 3:16,18; Heb. 11:17 e I João 4:9).

Imagem do Google
Disponível em: https://www.google.com.br/search?q=simbolos+de+natal&newwindow=1&espv=2&biw=1517&bih=708&tbm=isch&tbo=u&source=univ&sa=X&ved=0ahUKEwiY1bSF54PRAhUT22MKHf9IBrkQsAQIJw#imgrc=_

Acessada em: 20/12/2016

Os Magos ou sábios do Oriente, (Mat. 2:1) talvez fossem astrólogos Persas ou indianos, visto que vieram do oriente. Eram três? A Bíblia não diz. Eram mais do que um, mas não se sabe quantos. Diz à tradição que eram três: Gaspar, Melchior e Baltazar. Cada um trouxe um presente: Ouro, Incenso e Mirra para o Rei. Quanto à estrela dizem ser uma conjunção de Saturno e Júpiter. Outros dizem ser um cometa. Nós, porém, preferimos crer que foi um fenômeno sobrenatural.

O mais importante não é sabermos o dia, o mês e o ano em que Jesus Cristo nasceu, mas sabermos que Ele nasceu. Tanto é verdade que Ele nasceu que o Jesus Cristo da história na história, não só mudou a história da humanidade. O calendário. Algumas nações. Mas o principal é que Ele mudou a história da vida de milhões e milhões de pessoas no decorrer dos séculos. Ele mudou a história de minha vida de um pecador condenado para um pecador redimido pelo seu precioso sangue, (I João 1:7), amém!

Bibliografia

1 – BOYER, Orlando S. Pequena Enciclopédia Bíblica. 7ª Ed. Editora Vida, Miami Flórida USA, 665 p.

2 – CHAMPLIN, Russell Norman. Enciclopédia de Bíblia Teologia e Filosofia. Vol. I. Ed. Hagnos, 9ª Ed. São Paulo, 2008, 1039 P, P. 596-600.

3 – _______________________. Vol. II. Ed. Hagnos, 9ª Ed. São Paulo, 2008, 995 p, p. 718-721.

4 – MOULTON, Harold K. Léxico Grego Analítico. Trad. Everton Aleva de Oliveira e Davi Miguel Manço. Ed. Cultura Cristã, São Paulo, 2007, 460 p.

5 – SCHOLZ, Vilson e Roberto G. Bratcher. Novo Testamento Interlinear Grego – Português. 1ª Ed. Barueri, SBB, 2008, 979 p.

6- WATSON, S. L. e William Edson Allen. Harmonia dos Evangelhos. Revisado por William Edson Allen e A. Ben Oliver. 5ª Ed. Rio de Janeiro, JUERP, 1979, 267 p.

novembro 24, 2016

SÁBIOS CONSELHOS

SÁBIOS CONSELHOS
Autor: Pr Flávio da Cunha Guimarães
Imagem do Google. Disponível em: https://www.google.com.br/search?q=Conselheiro+Crist%C3%A3o&newwindow=1&espv=2&biw=1517&bih=708&source=lnms&tbm=isch&sa=X&ved=0ahUKEwjPo6buyZfRAhXBI5AKHb3eA5QQ_AUIBygC#imgrc=_ Acessada em: 28/12/2016. Diz o adágio popular que “conselhos se prestassem não se dava, mas se cobraria”. É um adágio que criaram como forma de se dizer que não se deve meter na vida dos outros. Que não devemos nos meter na vida dos outros, isso é válido, mas que nós de um modo geral precisamos de conselhos, isso é verdadeiro e necessário. O que dizer daqueles que frequentam os consultórios de psicólogos, de psicanalistas, de consultoria, de terapeutas de famílias, pais e mães de santos, médiuns e etc? Estão pagando por conselhos em que não estão nem percebendo. Existem os conselhos maus em que vem diretamente do trono de Satanás, e há aqueles que são bons e que vem diretamente do trono do Senhor Deus. A escolha é nossa. A bíblia, como Palavra de Deus para nós, está cheia de excelentes conselhos. É o caso do texto a seguir.

Em (Tia. 5:7-11) diz: “Sede pois, irmãos, pacientes até à vinda do Senhor. Eis que o lavrador espera o precioso fruto da terra, aguardando-o com paciência, até que receba a chuva temporã e serôdia. Sede vós também pacientes, fortalecei os vossos corações; porque já a vinda do Senhor está próxima. Irmãos, não vos queixeis uns contra os outros, para que não sejais condenados. Eis que o juiz está à porta. Meus irmãos, tomai por exemplo de aflição e paciência os profetas que falaram em nome do Senhor. Eis que temos por bem-aventurados os que sofreram. Ouvistes qual foi a paciência de Jó, e vistes o fim que o Senhor lhe deu; porque o Senhor é muito misericordioso e piedoso” (1).

Todas as pessoas que exerceram cargos importantes, como reis e governantes, no decorrer dos séculos, foram cercados de conselheiros para tomarem as decisões certas e justas. Mas os melhores conselhos ainda vem da Palavra do bom Deus. Mas nos dias atuais as pessoas estão tomando as suas decisões sem os devidos conselhos das pessoas mais experientes, sábias, dos pais e principalmente do Senhor Deus. Daí tantas pessoas fracassadas nos negócios, economicamente, sentimentalmente, separadas, com o relacionamento conjugal aos cacos, com vidas feridas, machucadas e desiludidas, porque não querem ser humildes para pedirem ou aceitarem conselhos em algumas áreas da vida. Todavia, quando se trata de futebol, de religião e de política quase todos tem conselhos, opiniões e palpite para darem.

Em se falando de conselhos, existem os conselheiros políticos, financeiros, sentimentais, matrimoniais, espirituais e os infernais. O que quero dizer com isso? Que dependendo do conselho, em colocando em prática, a nossa vida vira um inferno. Portanto, cuidado com os conselhos dos gurus de plantão que dão conselhos como forma de arrancarem o seu, o meu, o nosso dinheiro. Existem conselhos para o bem como para o mal. Pessoais, impessoais, falado ou escritos. Hoje, queremos conversar com você, sobre: Sábios Conselhos. Portanto, cuidado com os conselhos que dá e que recebe. Existem conselhos para o bem como para o mal.

Há determinados momentos, em nossas vidas, ou certas decisões que um bom conselho faz muito bem para tomarmos a decisão acertada. Todavia, as pessoas, de um modo geral, tem certa dificuldades, certa resistência em admitirem que precisa de um conselho, seja por timidez, orgulho, autossuficiência ou por não confiarem nas pessoas ao seu redor. Por outro lado, há também aquelas pessoas que dão péssimos conselhos, que tem um poder de destruição da felicidade, dos sonhos, as vezes, até da própria vida da pessoa aconselhada. Entretanto, ainda há as pessoas que dão bons conselhos, conselhos que trazem edificação para as vidas desorientadas, mas nenhum conselho humano será igual ou superior aos conselhos que o Senhor Jesus Cristo dá em sua Palavra. Todos os conselhos que vem da Palavra do Senhor são sábios, bons, certos e edificantes porque vem do coração de Deus para os nossos corações.

O PRIMEIRO SÁBIO CONSELHO QUE VEM DO TEXTO LIDO EM TIAGO É: “Sede pacientes”, (V. 7).

I - O verbo sede pacientes está no imperativo. Portanto, é uma ordem. É obedecer ou obedecer, pois não há outra alternativa a não ser, ser paciente. A pergunta é: 1 - Como sermos pacientes se somos provocados e provados a todos os momentos? Pessoas que varrem o lixo colocando-o em frente de nossas casas, calçadas ou na esquina. Pessoas que passam na rua pela madrugada fazendo a maior algazarra, xingando palavrões atrapalhando o nosso sono. Carros e motos com escapamentos estourados fazendo um barulho infernal. Vizinhos com som altíssimo pela madrugada atrapalhando o nosso sono que temos que acordar cedo para trabalharmos no outro dia. As pessoas debocham e zombam de nossa fé, chamando-nos de “irmãos”, “dizendo a paz do Senhor, irmão(a)”, “amém” e etc. Você tem passado por isso? A recomendação bíblica é para que tenhamos paciência. 2 - Como ter paciência se vivemos em um mundo que as coisas mudam em questão de meses? Uma vida agitada e louca! Trabalho, família, lazer, compromissos sociais e etc. De maneira que o dia de 24h se torna pequeno. Temos que tomarmos decisões rápidas. Não vemos o tempo passar. O tempo passa por nós e rápido. O ano começa, quando percebemos já está chegando ao final. Este mundo louco causa ansiedade, neurose e estresse nas pessoas, fazendo com que queiramos tudo num estralar de dedo, aqui, agora e para ontem. É por isso que passamos por cima da própria vontade, da vontade dos outras; e o pior, passamos por cima da vontade soberana de nosso Senhor Jesus. Com um agravante: Nessa correria, não temos tempo para Deus, não temos tempo para a família e para nós mesmos, para avaliarmos as decisões, suas consequências e os conceitos do que é certo ou errado. O conceito que se tem é que tudo é relativo. Tem aquelas coisas que realmente são relativas, mas existem as absolutas e são essas que devem ter valor para nós. Daí aceitamos como parâmetros morais, éticos e comportamentais o que a sociedade oferece e são relativos, o que o Senhor Jesus reprova, como podemos ler na Palavra de Deus que diz em (I João 5:19) “Sabemos que somos de Deus, e que todo o mundo está no maligno”. No entanto, o Senhor Jesus não quer que vivamos na relatividade. Ele nos chama para assumirmos posição. Exemplos claros. Em (Mat. 12:30) "Quem não é comigo é contra mim; e quem comigo não ajunta, espalha". Em (Mat. 5:37) "Seja, porém, o vosso falar: Sim, sim; Não, não; porque o que passa disto é de procedência maligna". E em (Mat. 16:24) “Então disse Jesus aos seus discípulos: Se alguém quiser vir após mim, renuncie-se a si mesmo, tome sobre si a sua cruz, e siga-me” (2). Isso é mais do que absoluto.

II - Diante deste turbilhão de coisas para fazermos, a ansiedade e as emoções a flor da pele, nos relacionamos mal com as pessoas, enfraquecemos os laços familiares; enfraquecemos espiritual; não temos tempo para avaliar as decisões e suas consequências. É por isso que há tanta gente embaraçada na vida, arrependida do que fez, todavia, tarde demais para consertar, a não ser, ter paciência para aprender a viver e conviver com a situação adversa. Este é o conselho bíblico. Ainda com mais um exemplo: O do lavrador ou agricultor que semeia esperando a chuva para ver o resultado e o produto de seu trabalho. Com um detalhe, o agricultor experiente, que entende, não semeia de qualquer maneira, em qualquer tempo. Ele sabe o tempo de semear a sua semente. Que saibamos tomar as nossas decisões certas, no tempo certo, tendo a paciência principalmente para sabermos qual é o tempo de Deus, para depois não ficarmos lamentando e chorando pela dor de uma decisão precipitada. Como precisamos ser pacientes diante das provocações!

III – Diz o texto que a paciência é até a volta do Senhor. Por que a Palavra do bom Deus delimita o tempo da paciência? Até a vinda do Senhor? Vamos entender o que o autor está querendo dizer. É que os salvos do início do Cristianismo esperavam a volta do Senhor Jesus Cristo para aqueles dias. Mas Jesus não voltou até aos nossos dias e as pessoas estavam impacientes, não só quanto a volta do Senhor Jesus com também a impaciência para com as perseguições aos cristão que já estava em curso. Todavia, isso não altera em nada a autoridade e a verdade do texto, visto que o tempo do verbo além de ser um imperativo, tem o sentido também de uma ação continua. O aoristo da língua original, o grego, dá o sentido: Sede pacientes e continuem sendo pacientes. Se é até a volta do Senhor, logo, se o Senhor ainda não voltou, devemos continuar sendo pacientes. Apesar do texto não dizer, mas está implícito que se Jesus Cristo ainda não voltou, mas as pessoas partem desta vida antes da vinda, para encontrarem o Senhor. Tanto é verdade que a palavra no grego (παρουσίας – parousia), que vem de outra palavra grega que é (πάρειμι – pareimi), que fala da volta do Senhor Jesus como estar presente fisicamente já que Ele se faz presente espiritualmente através do Espírito Santo. “venho”, “compareço diante”, “estou aqui”, “estou chegando”. A “vinda”, a “chegada” e o “advento” do Senhor Jesus, o que dizem (TAYLOR, 1980, P.163 (3) e MOULTON, 2007, P. 319) (4). A impaciência é a demonstração de que não estamos preparados para o encontro com o Senhor Jesus e que a nossa fé ainda precisa ser exercida verdadeiramente. Vamos exercer a paciência para o nosso bem e dos demais?

O SEGUNDO SÁBIO CONSELHO QUE VEM DO TEXTO LIDO EM TIAGO É: “fortalecei os vossos corações” o que está no (V.8).

Tiago estava querendo dizer o que com esta frase? “Fortalecei os vossos corações”? Para o Dicionário Aurélio online, fortalecer é tornar forte; fortalecer o ânimo. A Igreja primitiva com a demora da volta do Senhor e a perseguição em curso, o povo além de impaciente estava enfraquecendo no ânimo, no entusiasmo e no encorajamento. Daí o apelo do escritor para que o povo pudesse robustecer-se física, moral e espiritualmente. É o que o povo brasileiro está precisando no presente momento, fortalecer moralmente e por que não dizer espiritualmente! Tiago não está falando de fortalecimento físico, através de academia, de anabolizantes, aqueles medicamentos para criar massa muscular. Tiago está se referindo ao fortalecimento do ponto de vista de convicção religiosa, de fé, de esperança e de um compromisso com o Senhor Jesus Cristo. Um fortalecimento doutrinária para não serem levianos ou levianas, serem enganados ou presas fáceis de grupos que ensinam heresias tremendas, que há em nossa sociedade, que negam a Jesus Cristo como sendo Deus e o único salvador do ser humano. Tiago está falando e ensinando o fortalecimento em conhecer mais a Deus e sua vontade para as nossas vidas. O fortalecimento no relacionamento mais íntimo com o Senhor Jesus. E o fortalecimento da nossa comunhão com Senhor e com os irmãos. Tiago ao olhar para a igreja de Jesus Cristo de seus dias, já via sinais de enfraquecimento nestas áreas. O que leva-o a exortar a igreja para se fortalecer. O que ele diria hoje? O mesmo: Fortalecei os vossos corações. Quando estamos fracos fisicamente, para fortalecermos precisamos de que? Precisamos de comida, de tratamento e de medicamento. Quando estamos fracos espiritualmente, precisamos de que para fortalecermos? Precisamos de alimento espiritual, de Bíblia, de doutrina e de fé. Quando a igreja está fraca espiritual, na doutrina e na fé, ela perde o rumo, o senso e o vigor espiritual, o que é primordial para a igreja. Daí vem as queixas, as reclamações, as divisões e etc. É neste contexto que abordamos...

O TERCEIRO SÁBIO CONSELHO DO TEXTO DE TIAGO É: “não vos queixeis uns contra os outros”.

O que é queixa? São reclamações. Lamentações. E intrigas que levam a brigas e divisões. O que a igreja nos dias de Tiago já sabia que este comportamento traz condenação, o que ele não queria para a igreja, (Lev. 19:16). Prov. 11:13 “O mexeriqueiro revela o segredo, mas o fiel de espírito o mantém em oculto”. Exemplos bíblicos: O povo hebreu ao queixar-se, ao reclamar, ao murmurar no deserto contra Moisés e o Senhor Deus quando saiu do Egito, o Senhor o puniu com a morte. É o que lemos em (Num. 11:1). A queixa é um ato de insubmissão, de rebelião, de descontentamento e insatisfação que pode ser injusta e por motivos irreais. Temos como exemplo o caso de Miriã e Arão, o que levou o Senhor Deus a discipliná-los, ficando ela leprosa fora do convívio social até a sua cura, (Num.12:10).

Imagem do Google. Disponível em: http://pt.123rf.com/stock-photo/conselheiro.html. Acessado em: 24/11/2016

Tiago apela para que tenhamos paciência. Paciência é a palavra principal deste texto. Ele usa os exemplos dos profetas e de Jó, que foram pacientes diante das adversidades; que se fortaleceram no Senhor Deus; que não queixaram e Jó foi recompensado em dobro em tudo o que perdeu. Sejamos nós também pacientes ainda que as decisões sejam drásticas. Ainda que sejam duras. Vamos assumir o propósito de sermos pacientes mesmo nas provações.

"Destruindo os conselhos, e toda a altivez que se levanta contra o conhecimento de Deus, e levando cativo todo o entendimento à obediência de Cristo", (II Coríntios 10:5).

Citações bibliográficas:

(1) – OLIVEIRA, Marcelo Ribeiro de. Bíblia Sagrada Versão Digital 6.7 Freewere. 2014. Disponível em: . Acesso em: 15 dez. 2014.

(2) – Idem.

(3) – TAYLOR, William Carey. Introdução ao Estudo do Novo Testamento Grego: Dicionário. 6ª Edição. Rio de Janeiro, JUERP, 1980, 247 p. p. 163.

(4) – MOULTON, Harold K. Léxico Grego Analítico. Trad. Everton Aleva de Oliveira e Davi Miguel Manço. Ed. Cultura Cristã, 2007, São Paulo, 460 p. p. 319.

Bibliografia:

1 – BOYER, Orlando S. Pequena Enciclopédia Bíblica. 7ª Ed. Editora Vida, Miami Flórida USA, 665 p.

2 – JUNIOR, Luder Whitlock. Bíblia de Estudo de Genebra. São Paulo e Barueri. Cultura Cristã e Sociedade Bíblica do Brasil, 1999, 1728 p.

3 – MOULTON, Harold K. Léxico Grego Analítico. Trad. Everton Aleva de Oliveira e Davi Miguel Manço. Ed. Cultura Cristã, 2007, São Paulo, 460 p.

4 – OLIVEIRA, Marcelo Ribeiro de. Bíblia Sagrada Versão Digital 6.7 Freewere. 2014. Disponível em: . Acesso em: 15 dez. 2014.

5 – RIENECKER, Fritz e Cleon Rogers. Chave Linguística do Novo Testamento Grego. Trad. De Gordon Chown e Júlio Paulo T. Zabatiero. 1985, Ed. Sociedade Religiosa Edições Vida Nova, São Paulo, 639 p.

6 – SCHOLZ, Vilson e Roberto G. Bratcher. Novo Testamento Interlinear Grego – Português. 1ª Edição. Barueri, SBB, 2008, 979 p.

7 – SHEDD, Russell Philip. Bíblia Vida Nova. Traduzida por João Ferreira de Almeida. Editora: S. R. Edições Vida Nova, 2ª Ed. São Paulo, 1978, 309 p.

8 – TAYLOR, William Carey. Introdução ao Estudo do Novo Testamento Grego: Dicionário. 6ª Edição. Rio de Janeiro, JUERP, 1980, 247 p.

novembro 21, 2016

COMO AGRADECER?

COMO AGRADECER?
Autor: Pr Flávio da Cunha Guimarães

“Em tudo dai graças, porque esta é a vontade de Deus em Cristo Jesus para convosco”, (I Tes. 5:18)
Extraído do Google Imagem: Disponível em: https://www.google.com.br/webhp?sourceid=chrome-instant&ion=1&espv=2&ie=UTF-8#q=imagem%20agradecendo. Acessado em: 21/11/2016.

Em tudo dai graças, quer dizer em tudo mesmo. Em todas as circunstâncias, incluído até mesmo as perseguições, as provações, na escassez, na fartura, na enfermidade e na saúde.

Como agradecer quando nos acidentamos? Com certeza o Senhor quer nos ensinar entre as lições que podemos aprender, a lição de sermos mais precavidos e prudentes.

Quando perdemos o emprego e a fonte de renda? Com certeza Jeová quer nos ensinar a dependermos inteiramente e totalmente em suas providências. Como agradecermos quando caímos enfermos em uma cama, ou paralisados dependendo de outrem para darem o que comer na boca, o que vestirmos, a higiene e o transporte? Com certeza Deus quer que sejamos mais humildes e mais gratos aqueles que já estenderam as mãos tantas vezes para nós e não dissemos nem um muito obrigado.

Mas a Palavra de Deus não excluiu e não isenta essas horas! Tudo é tudo mesmo!

É só pensarmos naqueles que gostariam de estar e que queriam estar em nosso lugar, ainda que passando por provações, perseguições e escassez, mas com vida, e, que não estão aqui mais entre nós.

Se devemos agradecer até mesmo os momentos difíceis, muito mais quando estamos desfrutando das bênçãos grandiosas e maravilhosas de nosso Senhor e salvador Jesus Cristo.

Devemos agradecer pelo dom da Vida! A vida além de ser uma dádiva de Deus, o mantê-la é a manifestação da misericórdia do Pai de amor. Basta alguns minutos sem oxigênio para a vida acabar, ser varrida no planeta. E isso não depende de nós, mas do Senhor que nos criou e nos sustenta.

Devemos agradecer pela salvação recebida pela graça maravilhosa e pela misericórdia grandiosa de Iavé, porque sem as três seriamos consumidos para sempre. Não custou nada para nós, pois o Senhor Jesus pagou o grande preço que nós teríamos que pagar, com o seu sacrifício na cruz do calvário, (I Cor. 6:20; 7:23; I Tim. 2:6). Salvação esta que está ao alcance de todos os seres humanos que entendem que não chegarão ao Céu se não for por Jesus Cristo (João 14:6, Atos 4:12 e I Tim. 2:5).

Para que essa salvação se torne realidade em nossas vidas, é preciso que...

(1) Bastando tão somente reconhecermos que somos pecadores. Como pecadores estamos ofendendo a santidade de Deus, desfigurando a imagem e a semelhança em que fomos criados por Ele. Reconhecermos que estamos perdidos e indo para o sofrimento eterno, daí necessitamos nos valer do sacrifício de Jesus Cristo na cruz do calvário que não tem outra finalidade, a não ser trazer-nos a salvação.

(2) Basta arrependermos de nossos pecados, não só os cometidos por ação, mas também por omissão, (Tia. 4:17), Além também do pecado original em que herdamos mediante a desobediência de Adão e Eva, o que é comprovado em (Rom. 5:12,17-18,21). Arrependimento sincero é assumirmos o propósito de não praticarmos mais tais atos.

(3) Basta confessarmos ao Senhor Jesus, de coração e com sinceridade, para obtermos o seu perdão. Confissão, é reconhecermos de verdade que pecamos e assumir o propósito de não praticarmos mais.

(4) Basta crermos no Senhor Jesus, como o único salvador, visto que foi o único que morreu crucificado para nos dar a remissão de nossos pecados, (Jo. 14:6; e I Jo. 1:7). Crer é mais que crença. Crer de acordo com a língua original do Novo Testamento é uma mudança radical na maneira de pensarmos, de agirmos e em nossas atitudes. É a metamorfose que ocorre dentro de nós.

(5) Basta aceitá-lo pela fé como nosso salvador, pois é o único intermediário entre Deus e os homens, entre os homens e Deus, como nos diz (Jo. 14:6 e I Tim. 2:5), ainda que há aqueles que querem colocar outros seres como intermediários, bem como outros meios de salvação, que a Bíblia nega e reprova. Ela apresenta somente o Filho de Deus, (At. 4:12) como salvador do mundo.

Devemos gradecer a saúde, o alimento, o sol, a noite, o dia, o calor, o frio, a água, enfim, tudo que temos que traz o equilíbrio para a vida no planeta.

Agradecermos pela família que temos! Quantos outros que não tem uma família, não tem um teto para morar!

Agradecermos pelas pessoas que Deus colocou diante de nós, as amizades que são tão salutares para o nosso viver, pois ninguém é uma ilha em meio ao oceano. Precisamos de amizades e elas devem fazer parte de nossas vidas de maneira natural.

Agradecermos a inteligência que temos, reconhecendo que ela vem do Ser mais inteligente do universo, o El Shadday, que faz o homem, o ser vivente neste plano mais inteligente, capacitado e dotado de consciência em relação aos demais seres viventes.

A maior gratidão para com o Criador é querermos viver na dependência DELE, reconhecermos que a vida só tem sentido quando Ele vive em nós. Quando vivemos com Ele, para Ele, NELE e Ele em nós. Isso por uma decisão livre e espontânea vontade nossa. A Ele toda a honra, o louvor, a glória para todo e sempre, amém!

Extraído do Google Imagens. Disponível Em: https://www.google.com.br/webhp?sourceid=chrome-instant&ion=1&espv=2&ie=UTF-8#q=imagem%20agradecendo. Acessado em: 21/11/2016.

novembro 19, 2016

FAXINANDO A ALMA

FAXINANDO A ALMA
Pastor: Flávio da Cunha Guimarães

I PE. 1:22; HEB. 9:14 e 10:22

Este post tem como público alvo: Os teólogos, os pastores, os seminaristas, os pregadores da Palavra de Deus e aqueles que gostam de ler conteúdo sobre a Palavra de Jeová.

Imagem do Google
Disponível em: https://www.google.com.br/search?q=Imagem+hoje+%C3%A9+dia+de+faxina&newwindow=1&espv=2&biw=1517&bih=708&source=lnms&tbm=isch&sa=X&ved=0ahUKEwim17TBiprRAhWJEZAKHRUqD48Q_AUIBigB#imgrc=xd5ubqUYXkdR7M%3A

Acessada em: 29/12/2016

Ambiente sujo, além de poluir, de tirar a beleza do lugar, nós não gostamos de sujeira, ou pelo menos não deveríamos gostar, porque não faz bem à saúde, transmitindo doenças, é imundo e incomoda o nosso censo de higiene. Quem vive em ambiente sujo, que pode ser desde o local de trabalho até a residência em que moramos, é considerado(a) atrasado(a), que ainda vive no estado primitivo, sem cultura, sem higiene, é considerado(a) porco(a) na cultura popular. Por isso temos vergonha de receber alguém em nossa casa ou no local de trabalho quando falta a limpeza do ambiente.

A Necessidade de Limpeza Urgente

Imagem do Google
Disponível em: https://www.google.com.br/search?q=Imagem+de+frigideira+com+crosta&newwindow=1&espv=2&biw=1517&bih=654&source=lnms&tbm=isch&sa=X&ved=0ahUKEwjdxuWBjJrRAhVLl5AKHUuFCqgQ_AUIBigB#newwindow=1&tbm=isch&q=Imagem+de+frigideira+com+%C3%B3leo+queimado

Acessado em: 29/12/2016


Quando passa muito tempo sem limpar a sujeira, cria-se uma crosta, a sujeira gruda e para tirar é muito mais difícil, além de encardir os objetos, piso e móveis! Daí que determinado dia da semana separa-se para uma faxina, uma limpeza geral na casa, no escritório e etc. Para uma limpeza completa, precisamos arredar os móveis, limparmos encima e debaixo dos mesmos. Um ambiente limpo, traz alegria, sensação de paz, de leveza, além de não sentirmos acanhados ou envergonhados em receber alguém em nossa casa ou ambiente de trabalho. Como é difícil e constrangedor receber alguém em casa quando a mesma está suja! Ficamos inibidos, arranjando desculpas, explicações ou justificativas. Por isso que, as nossas casas devem estar sempre limpas e adornadas, porque não sabemos que dia e que hora vamos receber visitas. Assim deve ser para com nossas vidas. Há desde pensamentos, sentimentos, atitudes e até aquelas pessoas que precisamos fazer uma faxina de vez enquanto, para que não fiquem grudadas em que precisaremos de muita "Q boa", "Veja Multiuso" e "Palha de aço" para limparmos a nós mesmos de rancores, ressentimentos, amarguras e ódio, sem no entanto, ferirmos a nós mesmos e as pessoas. O que não deve ser diferente as nossas vidas para com o Senhor Jesus. Elas devem estar sempre limpas dos pecados costumeiros, maus pensamentos, sentimento de vingança, de retaliação, de desprezo, deboche e xingamentos, não! Não devemos viver assim para o Senhor Jesus. Devemos viver adornados para Ele, visto que não sabemos a que hora e dia virá, ou partiremos desta vida. Daí que há a necessidade de estarmos sempre preparados para um encontro com Ele que pode acontecer a qualquer hora.

Outro exemplo: Além de encardir os objetos, cria-se uma crosta, um grude que é o caso da frigideira ou panela que usamos para as frituras. O óleo queimado cria-se uma casca dura e ressecada que se torna muito mais difícil para se tirar. Se não passar o produto próprio para a limpeza, se não raspar, se não passar uma palha de aço não sai ou não limpa. Assim é com a nossa alma, com o nosso espirito.

O que é alma? Não queremos entrar em discussão quanto a dicotomia ou tricotomia, ainda que a nossa posição seja tricotomista, (I Tes. 5:23). De maneira simples daremos uma coordenada quanto a alma. Alma é a vida. O sangue por exemplo é chamado em alguns textos bíblicos de vida. É a mente, a psique. O sopro de Deus a Adão que deu vida. É a parte imortal do homem, (Is. 10:18; Ap. 6:9; 20:4). Que pode existir dentro de um corpo ou fora dele, (Ap. 6:9), (BOYER, 1978, P. 41). Um texto que fala que a alma ou espírito não morre é o de (Luc. 16:16-31), o rico e Lázaro.

Na alma pode acumular sujeira moral, pecados, criar grude, crosta que dificultará a limpeza, como vemos na primeira figura acima.

E o que suja a alma? Os maus pensamentos. A pornografia. O adultério. A prostituição. Desejos de vingança. Desejos carnais. Inveja. Ciúme. Maldade. E o que mais? O Apóstolo Paulo fez algumas listas como vemos em (I Cor. 5:11; 6:9-10; Gal. 5:19-21; Ef. 5:5 e I Tim. 1:9-10), que sujam a alma, principalmente daqueles que já conhecem a Palavra do Senhor, que lava, que purifica a alma, mas que abandonaram a mesma e por isso Ela já não tem efeito na vida de muitos que se dizem crentes.

Quando a alma está suja com os pecados enumerados acima pelo Apóstolo Paulo, somos infelizes, temos sentimento de culpa, tristeza. Os pecados impedem Deus de responder nossas orações e a comunhão com o Senhor. O pior, impede de irmos para o Céu e de entrarmos no Reino do Senhor para desfrutarmos de todos os benefícios que Ele tem para nós para os não salvos. E os que são membros de igreja, se não reconhecem, não confessam e pedem perdão pelos pecados cometidos após serem membros de uma igreja, é a demonstração que ainda não foram transformados pelo poder da Palavra, ainda não foram salvos. Portanto, precisamos fazer uma faxina diária em nossas almas para retirarmos toda a sujeira, todos os pecados pelo poder da Palavra de Deus e pela ação do Espírito Santo, deixarmos que Eles vasculhem todas as áreas de nossas vidas, para uma limpeza geral de nossas almas. Faxina essa que precisa começar pela nossa consciência. Vasculhar o que pensamos. O que fazemos. Buscarmos a Deus para que sua graça redentora chegue até nós.

Não há detergente Veja Multiuso, Ipê, Limpol que limpa a nossa alma da sujeira do pecado. O único produto eficaz para limpar, para purificar a nossa alma é o sangue do Senhor Jesus Cristo, (I Cor. 6:10-11; Ef. 1:7; Heb. 9:14 e I Jo. 1:7). Consulte os textos citados, por favor. Para isso não pode haver preguiça nem mau vontade.

Alma suja não é problema, há solução. O problema está em não querer limpar a alma. O achar que a alma não está suja. Nós estamos sendo desafiados a fazermos uma faxina em nossas vidas com Deus e em Deus. Se há algum pecado, é preciso reconhecer que pecou, arrepender-se, confessa-lo ao Senhor e pedir perdão, para que o sangue de Cristo nos purifique de todos os pecados, (I Jo. 1:7). Este é o propósito de Deus para nós. Uma vida de busca de pureza como os textos citados no início nos diz: (I Pe. 1:22) “Purificando as vossas almas pelo Espírito na obediência à verdade, para o amor fraternal, não fingido; amai-vos ardentemente uns aos outros com um coração puro”; (Heb. 9:14) “Quanto mais o sangue de Cristo, que pelo Espírito eterno se ofereceu a si mesmo imaculado a Deus, purificará as vossas consciências das obras mortas, para servirdes ao Deus vivo?”; (Heb. 10:22) “Cheguemo-nos com verdadeiro coração, em inteira certeza de fé, tendo os corações purificados da má consciência, e o corpo lavado com água limpa” e (I Jo. 1:7)

Este deve ser o nosso propósito, a cada início de ano, vivermos com nossas mentes limpas de tudo o que é impuro para o Senhor, para que possamos desfrutar das grandiosas bênçãos de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo. A Ele todo o louvor, a honra e a glória para sempre.


Imagem do Google

Disponível em: Pasta de fotos escritas de Pr Flávio da Cunha Guimarães, PhotoScape

Acessada em: 29/12/2016

"Chegai-vos a Deus, e ele se chegará a vós. Alimpai as mãos, pecadores; e, vós de duplo ânimo, purificai os corações." (Tiago 4:8)

Bibliografia

1 – BOYER, Orlando S. Pequena Enciclopédia Bíblica. 7ª Ed. Editora Vida, Miami Flórida USA, 665 p.

2 – JUNIOR, Luder Whitlock. Bíblia de Estudo de Genebra. São Paulo e Barueri. Cultura Cristã e Sociedade Bíblica do Brasil, 1999, 1728 p.

3 - OLIVEIRA, Marcelo Ribeiro de. Bíblia Sagrada Versão Digital 6.7 Freewere. 2014. Disponível em: . Acesso em: 15 dez. 2014.

4 – SHEDD, Russell Philip. Bíblia Vida Nova. Traduzida por João Ferreira de Almeida. Editora: S. R. Edições Vida Nova, 2ª Ed. São Paulo, 1978, A T 929 p, N T 309 p.

novembro 18, 2016

OS VIVOS SE COMUNICAM COM OS MORTOS?

OS VIVOS SE COMUNICAM COM OS MORTOS?
I Sam. 28:3-22

Autor: Pr Flávio da Cunha Guimarães

TEXTO BÍBLICO DIFÍCIL DE INTERPRETAÇÃO
Imagem do Google. Disponível em: https://www.google.com.br/webhp?sourceid=chrome-instant&ion=1&espv=2&ie=UTF-8#q=imagem%20de%20t%C3%BAmulo. Acessada em: 18/11/2016.

Texto bíblico difícil de ser interpretado, visto que, se trata da suposta comunicação entre mortos e vivos, vivos e mortos. Afinal de conta, há comunicação entre os mortos e vivos? Se há, como se dá essa comunicação? Se não há comunicação, os médiuns, pais e mães de santos se comunicam com quem? Seria uma farsa? Seriam enganados por espíritos malignos para enganarem os que os procuram? Para os espíritas kardecistas, kibamdistas, umbandistas, macumbeiros e até mesmo para alguns teólogos cristãos, afirmam que é possível a suposta comunicação entre os mortos e os vivos. Já para os teólogos cristãos mais conservadores e das igrejas históricas, afirmam que não há possibilidade de comunicação, o que veremos as duas vertentes neste post. E o que a Bíblia diz sobre tal assunto? Antes de respondermos tais perguntas e considerações dos dois pontos de vistas, vamos fazer uma exposição do texto, em estudo, para depois abordamos com detalhes as duas linhas de interpretações, seus argumentos e darmos o nosso parecer.

Começando com o (V.3), diz que Samuel estava morto, morte esta que é relatada em (I Sam. 25:1). A língua hebraica em (גׇּוַע - gãwa´), Harris, 2008, p. 254 (1) afirma que Samuel estava morto literalmente. Samuel significa “Ouvir de Deus ou Nome de Deus”. Ele fora profeta, sacerdote, juiz e governador de Israel. Exerceu as quatro funções, as mesmas que o Senhor Jesus Cristo exerce. Foi Ele quem ungiu o rei Saul, mas o reprovou como tal, mandado pelo o Senhor Jeová, após a desobediência do rei a Deus e ungiu a Davi, como o Senhor Todo Poderoso ordenou, como rei sucessor de Saul. Samuel fora conselheiro espiritual do rei Saul. Isso explica, mas não justifica, a atitude do rei em recorrer a uma médium, ou como algumas versões bíblicas chamam-na de Pitonisa, para trazer o espírito de Samuel dentre os mortos para aconselhá-lo quanto a guerra contra os filisteus. Todavia, tal atitude do rei Saul contrariava o que o próprio rei havia feito antes. Contrariava as convicções de Samuel. A própria Bíblia e o Próprio Deus como vemos em (Lev. 19:31; 20:6,27; Deut. 18:11). O rei havia mandado exterminar todos os feiticeiros ou médiuns da terra de Israel baseado na Lei mosaica, como vemos em (I Sam. 28:3,9). Isso caracteriza o quanto o rei era inconstante, explica o seu caráter, loucura e a sua contradição em suas atitudes, mas não justifica tal iniciativa do rei. O que parece ser tão comum ainda em nossos dias quando se trata de alguns seguimentos de nossa sociedade, a começar pelos políticos, pastores e religiosos, incoerência é o que não falta nas lideranças e nas pessoas em geral!

DIANTE DA GUERRA IMINENTE

Diante de uma guerra iminente, dizem os (V.4-5) que o rei estava com medo e seu coração estremeceu. O medo era tão grande que ficou em uma situação angustiante e o coração tremia com taquicardia. O comportamento do rei foi totalmente diferente de quando andava na presença de Deus, pois era um homem de grande coragem como relata (I Sam. 11:6-11). Por que o rei Saul teve tanto medo? O homem com medo já está derrotado antes da derrota. O medo não era só devido ao exército inimigo, mas principalmente porque se achava sem o Espírito de Deus, (I Sam. 16:14). O Espírito do Senhor se retirou dele, além do peso de consciência em reconhecer os pecados cometidos, não só contra Deus, mas também contra Davi, querendo mata-lo. Saul sem o amparo espiritual do Senhor e sem os conselhos de Samuel, resolve consultar a Deus, (V.6), mas o Senhor Deus não o respondeu nem por sonhos, nem por Urim, nem por Tumim e nem pelos profetas. (Quanto a não responder por sonhos, Urim, Tumim e profetas, escreveremos um post específico para tratarmos desse tema). A situação de Saul era claramente embaraçosa diante do silêncio de Deus. Qualquer pessoa deveria ficar estremecida diante do silêncio do Senhor Deus. O silêncio de Deus para com Saul era porque Saul já havia desprezado os preceitos do Senhor e abandonado Deus. Já havia afastado o Senhor de seu coração, de sua vida e de seus projetos, muito antes desse episódio mediante as suas desobediências e precipitação. O que não tem sido diferente nos dias atuais. A maioria das pessoas ignoram a existência de Deus e que Ele está no comando de tudo. As pessoas querem governar as suas próprias vidas, em seu egocentrismo, individualismo e ignorando a todos, inclusive o Senhor Deus, sem dar satisfação a ninguém e muito menos a Jeová, sem saberem que no juízo final darão satisfação ao Senhor, querendo ou não em que poderá resultar em uma condenação eterna.

O SILÊNCIO DE DEUS

Por que Deus estava em silêncio em relação a Saul? Deus tem prazer em responder a todos os que O buscam? Nem sempre! Deus não responde quando o homem está sendo julgado por Ele, que era o caso de Saul. O rei Saul rejeitou e estava rejeitando a vontade do Senhor revelada anteriormente a ele pelo próprio Samuel. Já que Saul não se importou em obedecer a Deus no que já sabia, o Senhor não estava disposto a dar-lhe mais conhecimento, visto que não valorizava-o. O rei já sabia da vontade de Deus que não queria que ele perseguisse e matasse a Davi como ele estava obstinado, (I Sam. 24:16-20; 26:21). O rei desconsiderou o que sabia sobre à vontade de Deus quanto a ele e a Davi. Se queremos Deus nos guiando, devemos seguir a orientação que Ele nos dá. David Guzik diz que: “Quando rejeitamos a Palavra do Senhor, ainda podemos ser confortados pelo fato de que Ele está nos falando. À medida que continuamos a rejeitar a Sua Palavra, Ele deixará de falar conosco-e perderemos até esse conforto” (2), (tradução do Google). Diante do medo, (V.5), da ansiedade, da angústia e do silêncio de Deus, o rei Saul solicitou que o indicasse uma médium (V.7); médium essa que tinha influência Cananéia, com certeza, para trazer o espírito de Samuel para se aconselhar com ele. Saul com tal atitude demonstrou ser um homem fraco, um tanto louco, mau e que ponto chegou por causa de seu desespero e angústia. Assim ele pecou tanto, ao ponto de abandonar o Senhor, e o Deus Todo Poderoso silenciou-se para com ele.

O TÉRMINO DE UMA ERA

Com a morte de Samuel, o profeta-sacerdote terminou uma era espiritual elevada do povo de Deus. Espiritualidade avançada e elevada como resultado de uma vida do próprio Samuel com Deus. De excelência moral, de justiça, de fidelidade aos preceitos do Senhor. Com a confirmação e a reafirmação dos pactos com Deus. Uma nação sólida espiritual, material e em segurança. Um período de paz, se não total, pelo menos mais paz do que em outros períodos, como resultado dessa vida com Deus. Os Inimigos foram vencidos e subjugados no tempo de Samuel. Com a morte de Samuel, o grande líder em todos os sentidos, o povo descambou para a idolatria e a imoralidade. Saul que havia expulsado os bruxos, os feiticeiros, os encantadores, os mágicos e matando-os, não por convicção que tinha com Deus, mas por orientação espiritual de Samuel como seu conselheiro, ao final de seu reinado vai buscar ajuda exatamente a uma pitonisa ou médium. Pitonisa não é o nome da mulher que o rei Saul procurou, mas a função ou a profissão que ela exercia. Mulher supostamente adivinhadora das coisas relativas aos mortos. Júnior, (1961), Dicionário Bíblico Crescer, p. 94, diz que En-Dor é o nome de uma cidade da tribo de Manassés, onde ela morava o que (Jos. 17:11) relata, que significa no hebraico fonte de dor, (3). O que é e que ponto chega a vida daqueles que não tem uma profunda experiência com Deus? Os medianitas e os filisteus mediante a permissão de Deus se levantaram contra Saul e seu exército para guerrearem. Saul por não cumprir ordens de Deus dada por Samuel, em (I Sam. 15:22-23) em relação aos amalequitas, foi desqualificado e reprovado para a função, daí o medo tomou conta de seu coração (I Sam. 28:5); Angustiado (I Sam. 28:15), Perturbado (I Sam. 28:21) e sabendo que perderia a guerra, recorre e vai em busca de resposta por meios reprovados por Samuel, pela Palavra do Senhor e pelo o Senhor Deus, ao encontro com uma feiticeira que exercia a função de necromancia. Isso demonstra o desespero de um rei sem Deus. O que não é diferente em nossos dias. Quantas pessoas sem Deus e desesperadas, diante de um relacionamento conjugal precipitado, manchado por traições e vinganças, sem a aprovação de Iavé, e, portanto em crise. Diante de ente queridos mergulhados nos vícios, nas drogas, na bebida e na criminalidade, tem procurado ajuda em meios mais perigosos que se possa imaginar. Quando o meio mais seguro, para qualquer pessoa, é uma vida com o Senhor, o que o rei Saul não buscou e é o que a maioria hoje não o faz!

O QUE É NECROMANCIA?

Necromancia é o mesmo que médium, Piton, no masculino mago, adivinho; e Pitonisa no feminino. D’Agustini diz que, “Os gregos davam o nome de Pitonisas a todas as mulheres que tinham a profissão de adivinhas, porque o deus da adivinhação, Apolo, era cognominado de Pítio, quer por haver matado a serpente-dragão Píton, quer por ter estabelecido o seu oráculo em Delfos, cidade primitivamente chamada Pito. A Pitonisa era a sacerdotisa do oráculo de Delfos” (4). Existe a ideia também defendida por Champlin, Enciclopédia de Bíblia Teologia e Filosofia, Vol. V, 2008, p. 287, diz que Piton era uma divindade solar do Egito antigo como centro religioso da cidade armazém do mesmo nome que os hebreus reconstruíram no tempo de Ramsés (5). Não importa a origem do nome se é grego ou egípcio, mas o significado. Pitonosa é a pessoa que pretende evocar os mortos para deles obter o conhecimento do futuro, que no grego é (νεκρός – nekrós) “Corpo morto, sem vida” e μαντεύομαι - (manteúomai) “Adivinho, vidente, revelar” (6). Necromancia, portanto, é a suposta arte de adivinhar e querer prever pela invocação dos mortos o que acontecerá no futuro; o que é condenado e proibido por Deus nos textos seguintes: ((Lev. 19:26); Deut. 18:9-13; II Reis 21:6; I Cron. 10:13; Is. 8:19; Is. 19:3-4). A Palavra hebraica (נׇחַשׁ – nãhash), fala de Adivinhação, ler sorte, encantamento, feitiçaria, presságio, agoureiro e ocultismo (7), o que Deus proibiu tal prática conforme os textos já citados acima. As palavras hebraicas (קׇסַם – qãsam), que denota a prática da adivinhação, da feitiçaria era tratada com desdém em (Num. 23:23; e Is. 44:25); os adivinhos recebiam a maldição divina. Já a palavra hebraica (קֶסֶם - qesem), que significa adivinhar ao atirar flechas ao chão, consultar os terafins e as imagens dos antepassados mortos que são reprovadas pelo o Senhor conforme os textos acima. Práticas essas que em (I Sam. 15:22-23) usando a palavra hebraica (קֶסֶם – qesem) é pecado grave para Deus (8).

FUNÇÕES, ENTIDADES E CRENDICES CO-RELACIONADAS A NECROMANCIA

As palavras a seguir, como: 1 – MEDIUNIDADE está relacionada ao espiritismo e quer afirmar que a pessoa pode servir de intermediária entre os vivos e os espíritos dos mortos. Que invoca os espíritos familiares, o que Deus condena em (Deut. 18:11; I Sm. 28:3-9; I Cron. 10:13; II Reis. 21:6; Is. 8:19). 2 – FEITICEIRO é aquela pessoa que pratica a bruxaria, o que faz feitiços, mago, encantador e sedutor. Que usa objetos, amuletos, material adorado como ídolo pelos selvagens e ignorantes. Deus condena a prática da feitiçaria também em (Ex. 22:18; Ap. 22:15). 3 – BRUXO é o mesmo que mago. A pessoa que faz bruxaria e é mandingueiro. 4 – PAI OU MÃE DE SANTOS é o chefe, a chefe do terreiro de candomblé ou de macumbaria que incorpora o guia. O que dá instruções, orientações e prevê o futuro dos seguidores. Daremos uma relação de funções relacionadas a mediunidade, a magia negra, a bruxaria, adivinhação e crendices, sem no entanto, entrarmos em detalhes, pois o espaço não permite. Se o leitor quiser fazer uma pesquisa sobre essas funções e crendices fique à vontade, que são: 5 – MANDINGUEIRO(A). 6 – VODU. 7 – PRETO VELHO. 8 – CARTOMANCIA. 9 – DESPACHO. 10 – ENCANTADOR(A). 11 – MÁGICO. 12 – MAGIA NEGRA. 13 – AGOUREIRO(A). 14 – ASTROLOGIA. 15 – ENCANTADOR(A). 16 – PROGNOSTICADORES. 17 – ADIVINHAÇÃO. 18 – TALISMÃ. 19 – AMULETOS. 20 – PÉ DE COELHO. 21 – DENTES DE ANIMAIS. 22 – FERRADURA. 23 – FIGA. 24 – FITA DO SENHOR DO BOM FIM. 25 – PATUÁ. 26 – SAPO. 27 – SAPO COM A BOCA COSTURADA. 28 – SAPO ENTERRADO. 29 – CARRANCA. 30 – TARÔ. 31 – JOGO DE BÚZIOS. 32 – NUMEROLOGIA. 33 – HORÓSCOPOS. 34 – CABEÇA DE BOI EM PORTEIRA. 35 – CABEÇA DE PORCO ENTERRADA. 36 – GALHO DE ARRUDA. 37 – GATO PRETO. 38 – VASSOURA DE CABO PARA BAIXO ATRÁS DA PORTA. 39 – VARRER A CASA À NOITE EXPULSA A TRANQUILIDADE. 40 – NÚMERO 13. 41 – CHINELO OU SAPATO COM A SOLA VIRADA PARA CIMA. 42 – APONTAR ESTRELA COM O DEDO FAZ NASCER VERRUGA. 43 - MULHER QUE TEM O SEGUNDO DEDO DO PÉ MAIOR QUE O PRIMEIRO E QUE CORTA O CABELO DO MARIDO MANDARÁ NELE. 44 – CORTAR CABELO NA SEXTA-FEIRA SANTA NÃO CRESCE MAIS. 45 – SAL NO FOGO. 46 – PASSAR DEBAIXO DO ARCO-ÍRIS VIRA MULA-SEM-CABEÇA. 47 – BANHO DE SAL GROSSO PARA DESCARREGO. 48 – PASSAR DEBAIXO DA ESCADA TRAZ MÁ SORTE. 49 – HIDROMANCIA. 50 – SORTILÉGIO. 51 – BELOMANCIA. E 52 – INCENSO AROMÁTICO é usado para defumação de descarrego para limpeza de ambiente contra os espíritos maus, o que é praticado também pelo catolicismo e até no meio evangélico o sal grosso.

O POVO DE ISRAEL PRATICAVA A...

1 – NECROMANCIA. A necromancia é literalmente aquela pessoa que entrevista os mortos, Deut. 18:11. 2 – ADIVINHAÇÃO. A adivinhação em hebraico (נׇחַשׁ - nãhash) significa ler sorte, presságio, encantamento, feitiçaria, agouro que está relacionada ao ocultismo (9), (HARRIS, 2008, P. 953-954). Uma outra palavra hebraico que tem sentido semelhante é (קֶסֶם – qesem) que além de adivinhação, feitiçaria, bruxaria significa oráculo. Práticas que são proibidas pelo o Senhor em (Deut. 18:10) (10), (HARRIS, 2008, P. 1355). Oráculo quer dizer resposta de um deus a quem o consultava. Divindade que responde a consultas e orienta os fiéis como o oráculo de Delfos. 3 – ASTROMANCIA. A astromancia está relacionada a adivinhação por meio da astrologia, em particular o horoscopo através da posição dos planetas etc. o que nos diz em (Is. 47:13; II Reis 17:16; 21:3; 23:5; Dn 2:27; At. 19:19). De todas as nações no tempo do Antigo Testamento, só Israel foi ensinado a não praticar, a não seguir, a não temer os que exerciam a astromancia (Is. 44:25; Jr. 10:2). 4 – HEPATOSCOPIA. É a arte de adivinhar por meio de inspeção do fígado das vítimas (Ez. 21:21). Cada parte do fígado tinha seu significado. O deus a quem ofereciam o animal em sacrifício, revelasse sua vontade pela forma que se daria ao fígado, órgão que consideravam como o centro da vida da vítima. 5 – QUIROMANCIA. É a arte de examinar as marcas da palma das mãos, muito usada pelas ciganas para Através da leitura, a pessoa é avaliada em seu caráter e podendo definir seu futuro com base nas informações que encontra na mão. 6 – RABDOMANCIA. É a tentativa de adivinhação através de varinhas mágicas, o que descreve (Os. 4:12). 7 – SONHOS. Em hebraico é a palavra (חֲלוֹם – hãlom) que pode ser usado em duas categorias: (1) os sonhos comuns em que todos tem enquanto dormem e que podem ser assustadores (Jó 7:14) e são transitórios (Jó 20:8 e Is. 29:7-8) (11). É claro que os autores bíblicos não defenderam teorias de significado psíquico ou religioso desses sonhos. (2) Mas teve os sonhos que Deus quis revelar informações à humanidade. Daí o perigo de os falsos profetas usarem para proveito próprio e mentirem para agradarem os seus monarcas. Mas pode ser dito também que “Refere-se em Is. 65.4 ao costume adivinhar, dormindo junto às sepulturas dos antepassados, os quais consideravam como deificados. Julgavam o que sonhavam como revelação desses mortos” (12), (Orlando Boyer, Pequena Enciclopédia Bíblica, P.22). Daí a importância de se conhecer o que diz (Deut. 13:1-4). 8 – TERAFIM. É a imagem de escultura usada para adivinhar (Gen. 31:19; Juiz. 17:5; I Sam. 15:23; 19:13,16; II Reis 23: 24; Ez. 21:21; Zac. 10:2). Jacó mandou os familiares jogarem fora os terafins (Gen. 35:2-4). 9 – FILHOS OFERECIDOS EM SACRIFÍCIO A MOLOQUE. Os judeus ofereciam os filhos em holocausto, senão em massa, pelos menos reis e alguns do povo como relata (II Reis 3:27; Lev. 18:21; 20:3; Deut. 18:10). Essas 9 práticas faziam parte da vida do povo de Israel, chamado de povo de Deus. Práticas essas que Deus abominava e ainda abomina, que é tão comum e real em nossos dias entre o povo.

OS VIVOS SE COMUNICAM COM OS MORTOS?

Sim, para os que creem que essa comunicação acontece naturalmente. Não para os que creem que a comunicação não existe, todavia Deus neste caso concedeu uma exceção para estabelecer a sentença de Saul. No entanto, Saul já estava sentenciado por Deus e Samuel antes da morte de Samuel (I Sam. 15:23). Há os que creem que não há comunicação com os mortos, que o caso em estudo foi uma manifestação demoníaca. É o que vamos abordar especificamente daqui para frente.

OS QUE CREEM QUE SIM

Os judeus e os rabinos criam que Deus permitiu o espírito de Samuel vir para falar a Saul, o que os pais da igreja como Justino Mártir, Orígenes e Agostinho entendiam que fora assim. Outros pais da igreja, porém, discordavam dessa interpretação tais como Tertuliano, Jerônimo, os Reformistas Calvino e Lutero que o que aparecera não foi o espírito de Samuel. Criam eles que o que apareceu foi um fantasma ou o Diabo. Mas como entender que o Diabo seria capaz de profetizar o que iria acontecer, pois é essa a pretensão dos necromantes ou médiuns, porque se estava profetizando pretensa verdade, logo a visão tinha sido dada por Deus. É o que os necromantes e médiuns querem confirmar. Em (I Sam. 28:12) diz que Saul não viu o suposto Samuel, não conversou com os deuses que subiram da terra. Foi a médium que viu e conversou com os deuses que apareceram. Para o Pr Antônio Neves de Mesquita apesar de os mortos não voltarem a esta vida (Heb. 9:27), todavia Deus pode ter enviado o espírito de Samuel, “não para provar a necromancia, mas para condená-la [...]; por outro lado, Samuel veio para dar a Saul a sua sentença ditada por Deus mesmo, tendo em vista as suas muitas rebeldias” (13). Guzik levanta quatro possibilidades mais sugeridas para esta questão: 1 – Que alguns acreditam que esta era uma alucinação da médium, o que não faz sentido visto que não explica o porquê a médium ficou tão assustada. Não explica também o porquê Saul viu o espírito de Samuel, o porquê Samuel falou a Saul e não a médium. 2 – Outros acreditam que este era um engano da médium, o que não justifica pelas mesmas razões acima. 3 – Tem aqueles que acreditam que esta era uma personificação demoníaca na forma de Samuel. Que é possível que a médium, com os seus poderes ocultistas, convocou o espírito demoníaco que a enganou tanto quanto a Saul. Suposição também inadequada visto que não fala dos motivos, diz Guzik. E que vantagem teria Satanás com as palavras de Samuel a Saul? 4 – E há aqueles que acreditam que esta era uma aparição genuína, ainda que estranha de Samuel a médium e ao rei Saul. Concluiu Guzik que esta é a melhor explicação do episódio porque tem o apoio da reação da médium, que ela vê mais do que esperava. Que tem o apoio pelo que o espírito de Samuel disse a médium e ao rei, visto que tem o caso em que Moisés e Elias apareceram com Jesus Cristo em sua transfiguração, como vemos em (Mat. 17:3). Ele cita Clarke que pensa da mesma forma (14). Hipótese esta que é deficiente, visto que não há provas de que o rei Saul tenha falado com o suposto espírito de Samuel, mas a médium que falou a Saul, o que o espírito dizia. Para isso ela foi procurada para ser a intermediária entre o espirito e Saul. O espírito falar diretamente ao rei foge do padrão daqueles dias e dos dias atuais. O que fica claro nos diálogos que abordaremos a seguir.

OS DIÁLOGOS

O PRIMEIRO DIÁLOGO: O diálogo se dá, em primeiro plano, com a bruxa a partir do (V. 8-11). No (V.8) o rei Saul diz a médium que invoque o espírito de quem ele indicará. No (V.9) ela lhe diz do perigo de vida que estava correndo ao fazer isso, pois Saul era o exterminador de bruxos (Êx. 22:18). No (V.10) Saul jurou pelo SENHOR que nada de mal lhe aconteceria. Como que um homem aprofundado nas obras das trevas, da maldade querendo tirar a vida do próprio genro, Davi, poderia tomar o nome do Senhor em sua boca e jurar por Ele de forma tão solene? Estava tomando o nome de Deus em vão (Êx. 20:7). Garantiu a ela que nenhum mal lhe aconteceria da parte dele, mas não podia garanti-la do castigo eterno. Que ponto chegou o rei de Israel! De exterminador de bruxos ao se servir dos serviços deles. Quão profunda a sua crise, a queda em sua vida espiritual e seu relacionamento com Deus! Como isso afetou a sua mente! Ele não estava em suas faculdades mentais normais! Por que uma vez Saul rejeitando as verdades sobre Deus, isso contribuiria para que caísse em práticas mais tolas de seus dias. O que está descrito demonstra o quanto o rei Saul era inconstante! A sua loucura e o seu caráter! O quanto era fraco, louco e perverso! A sua extrema loucura o fez imaginar que o espírito de um grande e bondoso homem de Deus seria capaz de profetizar pela boca de uma bruxa a ele! Que ela teria poder de traze-lo dos mortos a vida pelos seus encantamentos! Em meio aos seus pecados, depressão e influência demoníaca, Saul esquecera que Samuel se tornara seu adversário quando ele pecou (I Sam. 13:13-14 e 15:22-29). O rei estava em completa desobediência ao SENHOR e em profunda escuridão espiritual! Tudo indica que foi a última vez que Saul pronunciou o nome do SENHOR.

O SEGUNDO DIÁLOGO: O diálogo se dá, em segundo plano, com a médium, o espírito em forma de deuses que em hebraico é (אְֶﬥׅהׅהים – ‘elõhim) (15) e o rei Saul (V.12-19). Diz que a bruxa ao ver Samuel gritou em alta voz e perguntou para Saul: “Por que me tens enganado?” Ao que o rei lhe pergunta: “que vês?” A médium responde que via deuses subindo da terra. O Rei lhe pergunta: “como é a sua figura?” Ela diz que “Vem subindo um homem ancião, e está envolto numa capa”. Entendendo o rei Saul que era Samuel, inclinou-se com o rosto em terra, e prostrou”. Diálogo que continua até o (V. 22) o que nos interessa no texto. O diálogo entre o suposto espírito de Samuel e Saul foi feito através da médium, sem a evidência de que realmente era Samuel. A descrição que a pitonisa dá de Samuel é muito vaga. Seria incoerente, Deus não falar através de sonhos, nem através de Urim (Luz ou Revelação); Tumim (Perfeição ou verdade), e nem pelos profetas (V.6), mas agora falaria através de um morto e através de uma bruxa, o que o Senhor condenara séculos antes. A causa da morte de Saul conforme (I Cron. 10:13-14) foi por consultar a necromante e não só o abandonar a Deus. Como vemos em (I Sam. 28:14). Por que a médium ficara tão chocada? 1 – Porque a sua atividade era uma fraude. 2 – Porque as suas atividade no reino espiritual eram meros truques. 3 – Porque estava acostumada com a presença de espíritos demoníacos. 4 – A médium é surpreendida porque ela sabia que estava praticando o ofício na presença do mesmo rei que expulsou e mandou matar os médiuns e espíritas de Israel, o que ela só descobriu que era o rei Saul quando os espíritos apareceram. 5 – Porque ela teve medo, e com razão, visto que o rei estava bem ao lado dela.

A FARSA

Algumas razões que demonstram a farsa ou fraude e que o que manifestou não foi o espírito de Samuel, mas espíritos demoníacos. Onde está a farsa? 1ª – A médium deduziu induzida por Saul que o espírito que subia da terra era o de Samuel (V.11). 2ª Farsa: Saul pediu um espírito, apareceram vários espíritos que a cartomante os chamou de deuses. 3ª Farsa: Ela disse o que o rei queria ouvir. 4ª – Vem subindo um ancião envolto em uma capa, o que a médium por certo tinha conhecimento dos hábitos de Samuel e o rei Saul o conhecia muito bem. 5ª – Saul quem entendeu que era Samuel e se inclinou diante do espírito, e não a bruxa. Saul estava com a mente totalmente confusa. 6ª – Se fosse Samuel que tivesse aparecido, ele viria do alto e não debaixo. Quem vem debaixo, vem das trevas. O espírito de Samuel estava em luz. 6ª – Saul já havia sido reprovado por Deus (15:23), daí o silêncio de Deus para com ele (28:6). 7ª – “Não se pode entender que Samuel, um homem santo durante toda a sua vida pudesse, depois de morto, prestar-se a obedecer a pitonisa – mulher abominável -, cometendo um pecado tão claramente proibido por Deus (Ex. 22: 18; Lv. 20:27; Dt. 18:19-22; Is. 47:13)” (16), (Bíblia Apologética, p. 314. 8ª – Não há como entender que Deus proibira a feitiçaria e o consultar os mortos, para depois permitir uma feiticeira trazer o espírito de Samuel para dar uma sentença (Tg 1:17).

OS QUE CREEM QUE FOI UMA MANIFESTAÇÃO DEMONÍACA

Há os que creem que a bruxa ao invocar o espírito de Samuel, o que apareceu não foi o espírito do mesmo, mas um espírito maligno e que falou em nome de Samuel. Quando a médium disse que via deuses subindo da terra, só podia ser demônios disfarçados por espírito de Samuel ou adivinhadores (II Cor. 11:13-14; Mar. 5:9 e Luc. 8:30). O Diabo tem poder permitido pelo o Senhor para transfigurar-se em anjo de luz (I Sam. 16:23 e II Cor. 11:13-14). A Bíblia é clara em (Luc. 16:19-31 e Heb. 9:27) em afirmar que os mortos não se comunicam com os vivos. Diz Fonseca, 2005, Bíblia Apologética... p. 314 que “De acordo com Deuteronômio 18.20-22, as profecias devem ser julgadas. E essas do falso Samuel não resistem ao exame. São ambíguas, imprecisas e infundadas. Vejamos: Saul não foi entregue nas mãos dos filisteus (28.19), mas se matou (31.4), indo parar nas mãos dos homens de Jabes Giliades (31.11-13). Não morreram todos os seus filhos – ‘tu e teus filhos estareis’ (v.19) – como insinua a obscura profecia. Pelo menos três ficaram vivos: Is-Bosete (II Sam. 2.8-10), Armoni e Mefibosete (II Sam. 21.8). E apenas três morreram (31.6; 1 Cr 10.2-6). As Escrituras declaram que as palavras de Samuel nunca caíram por terra (3.19)” (17). Diz John Gill que a mulher pitonisa tinha o espirito de adivinho que ela conversou com o Diabo e que Saul não podia obter resposta de Deus, visto que estava mergulhado em seus pecados e não havia arrependido deles e pedido perdão. Que era obra das trevas feita nas trevas da noite e que nada mais era do que arte negra. Que tais pessoas fingem ter poder de trazer o espírito de uma pessoa morta. Que era loucura de Saul achar, pensar que o espírito de um grande homem de Deus e bondoso, estaria na boca de uma bruxa e se deixaria sair de seu repouso dos mortos por encantamentos, aparecendo para um já condenado pelo o Senhor (18).

SURPRESA:

Imagem do Google. Disponível em: https://www.google.com.br/webhp?sourceid=chrome-instant&ion=1&espv=2&ie=UTF-8#newwindow=1&q=imagens+de+pessoa+surpresa. Acessada em: 18/11/2016.

A médium assustou e gritou em alta voz, não pelo o que viu. Diz o (v.13) que ela viu deuses subindo da terra, mas pelo temor diante das consequências que poderia ser morta, pois estava ao lado do rei que procurou exterminar os bruxos. A surpresa da pitonisa, não foi só com o que ela viu, deuses subindo da terra, mas a descoberta que quem pedira para trazer a Samuel era o rei Saul a quem ela temia a morte. Ela pergunta para ele: “Por que me enganaste?” (12). Foi o rei Saul quem entendeu que era o espírito de Samuel, daí se curvou e reverenciou como se fosse Samuel. Se fosse Samuel ele teria aparecido de cima e não subido da terra. Não podemos admitir que uma bruxa tinha o poder dado pelo Diabo para trazer a terra o espírito de alguém que estava no seio de Abraão. Não dá para aceitar que Deus enviaria o espírito de Samuel para dar uma sentença ao rei se ele já estava sentenciado por Samuel enquanto em vida e por Deus. Deus jamais permitiria a vinda de Samuel pelo poder de uma bruxa e através de encantamentos. Nem o verdadeiro Samuel permitiria tal adoração de Saul e homenagem a ele, encurvando-se diante dele. Essa aparição era diabólica em forma de Samuel e imitando-o. A própria Bíblia já prevê espíritos enganadores que apareceriam em várias formas fingindo ser anjos de luz e almas de mortos. Quando o espírito enganador perguntou por que me inquietaste e me fizeste subir? Isto torna claro que esse espírito não era o de Samuel. O espírito de Samuel estava em repouso no seio de Abraão, no estado de felicidade no Céu, não no poder de homens e de demônios para inquietá-lo. Para John Gill quem respondeu a Saul foi um espírito maligno, um espírito de mentira como ficou provado acima. O Diabo queria representar a Samuel através do fingimento (V. 17). Se fosse o espírito verdadeiro de Samuel ele teria falado a Saul de todos os seus pecados cometidos como a matança dos sacerdotes em Nobe (I Sam. 22:11,16 e 18); de sua cruel perseguição a Davi e de maneira especial de seu pecado horrível de pedir conselhos a uma bruxa (V.18) (19), (tradução do Google). Se fosse o verdadeiro espírito do profeta Samuel teria chamado o rei Saul a uma mudança de vida, de conduta mediante o arrependimento dos pecados e a conversão, principalmente para com Davi, mas só falou de sua morte sem nenhuma esperança. O (V.19) é de uma importância tremenda. O espírito enganador disse para o rei Saul que Ele e os filhos estariam, no dia seguinte com Samuel onde ele estava. Uma das duas coisas (1) Ou Saul com todos os seus pecados de abominação ao Senhor, inclusive o suicídio estaria no seio de Abraão, salvo com Samuel, (2) Ou Samuel, o grande homem de Deus, estava no Inferno para onde o rei Saul iria. Percebe a incoerência? Diz que todos os filhos do rei Saul morreria com ele, mas como vimos acima não morreram. O espírito enganador profetizou de maneira generalizada. Um dia Saul com os seus filhos morreriam, como todos nós. MUDANÇAS: Muito se havia mudado entre o encontro de Saul com o Profeta Samuel (I Sam. 9:22-24), em que foi oferecido um banquete por Samuel para o sucesso de Saul, agora o encontro com a pitonisa que oferece-lhe um banquete para a sua derrota e dias depois a sua morte, (V. 24-25).

ARGUMENTOS LÓGICOS E FILOSÓFICOS:

Usaremos o argumento do Dr. Russell P. Shedd, que está na Bíblia Vida Nova, nota de rodapé, nas P. 323-326, que são esclarecedores e que diz:

“1) Argumento Gramatical (6)... o Senhor... não lhe respondeu. O verbo hebraico é completo e categórico [...] Deus não lhe respondeu; não lhe responde e não lhe responderá nunca. O fata é confirmado pela frase: ‘... Saul... interrogara e consultara uma necromante e não ao Senhor...’ (1 Cr 10:13-14).

2) Argumento Exegético (6): Nem por Urim – revelação sacerdotal (ver 14:18); nem por sonhos – revelação pessoal; nem por profetas – revelação inspiracional da parte de Deus. Fosse Samuel o veículo transmissor, seria o próprio Deus respondendo, pois Samuel não podia falar senão pela inspiração. E, não foi o Senhor quem falou, não foi Samuel.

3) Argumento Ontológico: Deus se identifica como Deus dos vivos: de Abraão, de Isaque, de Jacó, etc. (Ex. 3:15; Mt. 22:32). Nenhum deles perdeu a sua personalidade, integridade, ou superego. Seria Samuel o único a poluir-se, indo contra a natureza do seu ser, contra Deus (6) e contra a doutrina que ele mesmo pregara (15:23), quando em vida nunca o fez? Impossível.

4) Argumento Escatológico: O pecado de Samuel tornar-se-ia mais grave ainda, por ter ele estado no ‘seio de Abraão’ e tendo recebido uma revelação superior e um conhecimento mais exato das cousas encobertas, e, por não tê-las considerado, nem obedecido às ordens de Deus (Lc. 16:17-31). Mas Samuel nunca desobedeceu a Deus (12:3-4).

5) Argumento Doutrinário: Consultar os ‘espíritos familiares’ é condenado pela Bíblia inteira (ver 28:3). Fossem os espíritos de pessoas, e Deus teria regulamentado a matéria, mas como não são, Deus o proibiu. Aceitando a profecia do pseudo-Samuel, cria-se uma nova doutrina, que é a revelação divina mediante pessoas ímpias e polutas (corrompidas, profanadas). E nesse caso, para serem aceitas as afirmações proféticas, como verdades divinas é necessário que sejam de absoluta precisão; o que não acontece no caso presente (Veja como são precisas as profecias a respeito de Cristo: Zc 9:9 e Jo 12:15; Sl 22:18 e Jo 19:24; Sl 69: 21 e Jo 19:28-29; Ex 12:46; Nm 9:12; Sl 34:20 e Jo 19:36; Zc 12:10; Jo 19:37; etc).

6) Argumento Profético (Dt 18:22): As profecias devem ser julgadas (1 Co 14:29). E essas, do pseudo-Samuel, não resistem ao exame. São ambíguas e imprecisas, justamente como as dos oráculos sibilinos e délficos. Vejamos: a) Saul não foi entregue nas mãos dos filisteus (28:19: A profecia é de estilo e sugeria que Saul viria a ser supliciado pelos filisteus. Mas o fato é que Saul se suicidou (31:4), e veio parar nas mãos dos homens de Jabes-Giliade (31:11-13). Saul apenas passou pelas mãos dos filisteus. Infelizmente, o pseudo-Samuel não podia prever esse detalhe. (Vajam como são precisos os detalhes acima, a respeito da pessoa de Cristo). b) Não morreram todos os filhos de Saul (‘... tu e teus filhos’, 28:19), como insinua essa outra profecia obscura: Ficaram vivos pelo menos três filhos de Saul: Is-Bosete (2 Sm 2:8-10), Armoni e Mefibosete (2 Sa 21:8). Apenas três morreram, como anotam clara e objetivamente as passagens seguintes: 1 Sm 31:26 e 1 Cr 10:2,6. c) Saul não morreu no dia seguinte (‘... manhã... estareis comigo’, 28:19): Esta é uma profecia do tipo délfico, ambígua. Saul morreu cerca de dezoito dias depois (ver nota de 30:1,10,13,17; 2 Sm 1:3). Citar em sua defesa Gn 30:33 e Êx. 13:14 e afirmar que a palavra hebraica mahar, ‘amanhã’ aqui, é de sentido indefinido, é torcer o hebraico e a sua exegese, pois todos vão morrer, mesmo, em ‘algum dia’ no futuro: isto não é novidade. d) Saul não foi para o mesmo lugar de Samuel (‘... estareis comigo’, 28:19). Outra profecia délfica. Interpretar o ‘comigo’ por simples ‘além’ (Sheol), é tergiversar. Samuel estava no ‘seio de Abraão’, sentia isso e sabia da diferença que existia entre um salvo e um perdido. Jesus também o sabia, e não disse ao ladrão na cruz: ‘... hoje estarás comigo no ‘além’ (sheol), mas sim, no ‘paraíso’. Logo, Samuel não podia ter dito a Saul, que este estaria no mesmo lugar que ele: no ‘seio de Abraão’. Se Samuel tivesse desobedecido a Deus (28:19, passaria para o inferno, para estar com Saul? Ou então, Saul, ainda que transgredindo à palavra de Deus e consultando à necromante (1 Cr 10:13), passou para o paraíso, para estar com Samuel? Inacreditável.

Solução: - Quem respondeu a Saul? Sugerimos a seguinte possível explicação. A Bíblia fala de certos ‘espíritos’, sua natureza e seu poder (Êx. 7:11,22; 8:7; At. 16:16-18; 2 Co. 11:14-15; Ef. 6:12). São os anjos maus. Do mesmo modo fala de anjos que acampam ao nosso redor e nos guardam (Sl 34:7; Mt. 18:10; Lc. 15:10 etc.). São os anjos bons. São dois, os ‘secretários’ (senão mais) que nos acompanham durante a vida toda; um bom e outro mau. Anotam tudo e sabem tudo a nosso respeito. Depois da morte, o anjo bom leva o nosso relatório-livro, diante de Deus, pelo qual seremos julgados (Ap 20:12). Por sua vez, o anjo mau assume a nossa identidade e representa-nos no mundo, através dos médiuns, onde revela o nosso relatório com acerto e ‘autoridade’. É por isso que Paulo fala da luta que temos contra ‘as forças espirituais do mal’ (Ef. 6:12). E é pela mesma razão que Deus proíbe consulta aos ‘mortos’ (Is. 8:19-20), porque estes são falsos (Dt 18:10-14). Caso fossem espíritos humanos, provavelmente, Deus não proibiria a sua consulta, apenas regularia o assunto para evitar abusos. Deus, porém, proíbe o que é dissimulação e falsidade” (20).

CONSIDERAÇÕES FINAIS:

Como ficou claro no exposto acima, tudo não passa de uma tremenda enganação! Samuel como homem de Deus que era, ao morrer estava com o Senhor; de maneira que se foi ele quem apareceu, viria de cima e não de baixo. O que se levanta de baixo da terra são os espíritos das trevas. Concluímos, pois que, as manifestações dos espíritos neste episódio foram espíritos enganadores como nos relata (Mat. 24:24). Se assim não fosse Deus não proibiria tais práticas, pois é uma forma de se enganar os indoutos. Se assim não fosse, o Apóstolo Paulo não escreveria em (Ef. 6:11-12), que a nossa luta não é contra carne e sangue, mas contra as forças espirituais do mal, nas regiões celestiais. Não advertiria a igreja em Corinto (2 Cor. 11:13-14). Conforme (1 Sam. 16:23) Saul já ficava possesso de espírito mal muito antes desta consulta a médium. Logo, quem falou a ele é o espírito demoníaco e não o de Samuel. Os mortos não falam com os vivos e vice-versa. A base bíblica para afirmarmos isso são três. 1 - Os textos de (Heb. 9:27; Gen. 3:19 e Ecles. 12:7); 2 - A ressurreição de Lázaro, (João 11:43-44); e 3 - A própria ressurreição de Jesus Cristo (Mat. 28:5-6). O único meio dos mortos se comunicarem com os vivos é através da ressurreição. É o que Jesus Cristo deixa bem claro na parábola contada do rico e Lázaro, em (Luc. 16:19-31), com destaque para os (v. 24,27 e 31). Tanto o rico no sofrimento e o pai Abração estão falando de ressurreição para que houvesse comunicação entre vivos e mortos. O que é comprovado com a ressurreição de Lázaro, ele conversou com os vivos, inclusive com o Senhor Jesus Cristo antes da sua crucificação, bem como Jesus Cristo após a sua ressurreição conversou com os familiares, seguidores e Apóstolos, por quarenta dias antes de subir ao Céu. Veja o Vídeo no Youtube do Rev. Hernandes Dias Lopes que trata do mesmo temo, mas que só foi descoberto depois que postamos o que está escrito acima. Clique aqui

CITAÇÕES

(1) – HARRIS, R. Laird; Gleason L. Archer Junior e Bruce K. Waltke. Dicionário Internacional de Teologia do Antigo Testamento. Tradução de Márcio Loureiro Redondo; Luiz A. T. Sayão e Carlos Osvaldo C. Pinto. 2008, Ed. Vida Nova, São Paulo, 1789 P. P.254.

(2) – GUZIK, David. Comentário de I Samuel Capítulo 28:3-22. E-Sword-the Sword of the LORD withan electronic edge, Tradução do Google.

(3) – JÚNIOR, Almir dos Santos Gonçalves. Dicionário Bíblico Crescer. 2ª Ed. Ed. Geográfica, Rio de Janeiro, 1961, 298 p, p. 94.

(4) – Autor: D'AGOSTINI, Marcus Vinicius Ferreira. Disponível em: http://www.dicionarioinformal.com.br/pitonisa/. Acessado em: 10/11/2016.

(5) – CHAMPLIN, Russell Norman. Enciclopédia de Bíblia Teologia e Filosofia. Vol. Vol. V. 9ª Ed. Ed. Hagnos, 2008, São Paulo, 750 P, P. 286-287.

(6) – MOULTON, Harold K. Léxico Grego Analítico. Trad. Everton Aleva de Oliveira e Davi Miguel Manço. Ed. Cultura Cristã, 2007, São Paulo, 460 P. P. 287 e 289.

(7) - HARRIS, R. Laird; Gleason L. Archer Junior e Bruce K. Waltke. Dicionário Internacional de Teologia do Antigo Testamento. Tradução de Márcio Loureiro Redondo; Luiz A. T. Sayão e Carlos Osvaldo C. Pinto. 2008, Ed. Vida Nova, São Paulo, 1789 P. P.953-954.

(8) – Idem, p. 1354-1355.

(9) – Idem, p. 953-954.

(10) – Idem, P. 1355.

(11) – Idem, p. 473.

(12) – BOYER, Orlando S. Pequena Enciclopédia Bíblica. 7ª Ed. Editora Vida, Miami Flórida USA, 665 p. p. 22.

(13) – MESQUITA, Antônio Neves de. Estudo nos Livros de Samuel. 2ª Ed. Rio de Janeiro. Ed. JUERP, 1979, 196 p. 103.

(14) – GUZIK, David. Comentário de I Samuel 28:3-22. E-Sword-the Sword of the LORD withan electronic edge, Tradução do Google.

(15) – HARRIS, R. Laird; Gleason L. Archer Junior e Bruce K. Waltke. Dicionário Internacional de Teologia do Antigo Testamento. Tradução de Márcio Loureiro Redondo; Luiz A. T. Sayão e Carlos Osvaldo C. Pinto. Ed. Vida Nova, São Paulo, 2008, 1789 p, p. p. 68.

(16) – FONSECA, Antônio e demais editores. Bíblias Apologética de Estudos. 2ª Ed. Jundiaí, Ed. Instituto Cristão de Pesquisas, 2005, 1657 p. p. 314.

(17) – Idem, P. 314.

(18) – GILL, John. Comentário de I Samuel Capítulo 28:3-22. E-Sword-the Sword of the LORD withan electronic edge, Tradução do Google.

(19) – Idem.

(20) – SHEDD, Russell Philip. Bíblia Vida Nova. Edição Revista e Atualizada no Brasil. Ed. S. R. Edições Vida Nova, 2ª Ed. São Paulo, 1978, A T 929 p. p. 323-326.

BIBLIOGRAFIA

1 – BOYER, Orlando S. Pequena Enciclopédia Bíblica. 7ª Ed. Editora Vida, Miami Flórida USA, 665 p.

2 - CHAMPLIN, Russell Norman. Enciclopédia de Bíblia Teologia e Filosofia. Vol. V. Ed. Hagnos, 9ª Edição, 2008, São Paulo, 1039 P, P. 136.

3 – D'AGOSTINI, Marcus Vinicius Ferreira. Disponível em: http://www.dicionarioinformal.com.br/pitonisa/. Acessado em: 10/11/2016.

4 – FONSECA, Antônio e demais editores. Bíblias Apologética de Estudos. 2ª Ed. Jundiaí, Ed. Instituto Cristão de Pesquisas, 2005, 1657 p.

4 - GUZIK, David. Comentário de Êxodo 2:1-10. E-Sword-the Sword of the LORD withan electronic edge, Tradução do Google.

5 – HARRIS, R. Laird; Gleason L. Archer Junior e Bruce K. Waltke. Dicionário Internacional de Teologia do Antigo Testamento. Tradução de Márcio Loureiro Redondo; Luiz A. T. Sayão e Carlos Osvaldo C. Pinto. 2008, Ed. Vida Nova, São Paulo, 1789 p.

6 – JÚNIOR, Almir dos Santos Gonçalves. Dicionário Bíblico Crescer. 2ª Ed. Ed. Geográfica, Rio de Janeiro, 1961, 298 p.

7 – JUNIOR, Luder Whitlock. Bíblia de Estudo de Genebra. São Paulo e Barueri. Cultura Cristã e Sociedade Bíblica do Brasil, 1999, 1728 p.

8 – MESQUITA, Antônio Neves de. Estudo nos Livros de Samuel. 2ª Ed. Rio de Janeiro. Ed. JUERP, 1979, 196 P.

9 – MOULTON, Harold K. Léxico Grego Analítico. Trad. Everton Aleva de Oliveira e Davi Miguel Manço. Ed. Cultura Cristã, 2007, São Paulo, 460 p.

10 – SHEDD, Russell Philip. Bíblia Vida Nova. Edição Revista e Atualizada no Brasil. Ed. S. R. Edições Vida Nova, 2ª Ed. São Paulo, 1978, A T 929 p.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

FALE CONOSCO

Nome:


Email:


Assunto:


Mensagem:


PAZ VERDADEIRA SÓ EM JESUS! Jo. 14:27 "Deixo-vos a paz, a minha paz vos dou..."