Versículo do Momento

LEIA A BÍBLIA
Mostrando postagens com marcador Testemunha de Jeová. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Testemunha de Jeová. Mostrar todas as postagens

julho 04, 2017

OS NOMES DE DEUS


OS NOMES DE DEUS
Pastor Flávio da Cunha Guimarães

Um post para aqueles que querem subsídios apologéticos para o enfrentamento quanto as seitas que reivindicam a exclusividade quanto a um só nome de Deus, que é Jeová, e é este o único nome verdadeiro.

INTRODUÇÃO:

O objetivo deste post, em primeiro lugar: É desmistificar a questão do nome de Deus e responder as perguntas a seguir. Afinal, Deus tem um só nome? Tem mais do que um nome? Qual é ou quais são os nomes verdadeiros de Deus? Só pode ser chamado ou tratado por um único nome? Se tem um só nome, qual é? Acarreta em erro, em pecado ou em heresia chamar Deus de Deus? As seitas estão certas ao afirmarem que Deus só tem um nome verdadeiro? O que a Bíblia diz sobre o nome de Deus? As religiões que não invocam Deus como Jeová, estão incorrendo em erro grave, em heresia e professando a fé falsa? Quem não invoca pelo o nome de Jeová, mas sim Deus, está invocando um Deus falso?

O objetivo em segundo lugar: É fazer apologia dos verdadeiros nomes de Deus, revelados nas Escrituras, em face as seitas que insistem em afirmar que Deus só pode ser chamado de Jeová, porque creem que esse é o único nome verdadeiro de Deus. Grupos esses, que têm travado um debate acirrado, tanto na internet como pessoalmente, alegando que o nome de Deus a ser pronunciado tem que ser o tetragrama, YHWH – Jeová, que os demais nomes e títulos de DEUS, derivaram-se deste nome e são falsos, o que é questionável, senão veremos:

1 - OS NOMES DE DEUS SÃO:

1.1 – O nome de Deus na língua hebraica mais antigo é: אֵל El, que significa o Deus forte e Poderoso. O Deus verdadeiro de Israel. Percebe-se que Israel tem “EL” no final, que traz o significa do nome: O que luta com Deus. É o nome de Deus mais antigo que se tem conhecimento. É também o nome pessoal de Deus. Diz Harris, (2008), p. 69 (1), que “hã`el haggãdôl” “o grande El”, o Deus superior a todos os deuses, “(Jr. 32.18; Sl. 77.13 e 95.3); [...] ‘El que faz maravilhas (Sl. 77.14); `el `elim, ‘Deus dos deuses’ (Dn. 11.36); `el `elohê lekol-bãsar, ‘El, o Deus dos espíritos de toda carne’ (Nm 16.22; 27.16)”. El acompanhado de uma outra palavra falará dos atributos de Deus, como Salvador de Israel; Fiel; Santo; Verdadeiro; Todo-Poderoso; Eterno; Onisciente; Onipotente; de Glória; Justo e Zeloso, (HARRIS, 2008, P. 69-70) (2). EL Também é um dos nomes mais usado nas Escrituras Sagradas. El, nas Sagradas Escrituras, tem a intenção de distinguir o verdadeiro Deus dos falsos que tem o mesmo nome que consta em outras culturas. EL é o nome tão completa e tão característico para Jeová como o é ELOHIM e YHWH. Deus se revelou na criação de todas as coisas como אֱלֺהים Elohim, o Deus Criador, (Isaías 45:12; (Apocalipse 4:11). Se revelou como o Deus יֵשׁוּﬠַ Yeshua, o Deus Salvador, na pessoas de seu Filho, Jesus (Mateus 1:21; I Timóteo 1:15). Jesus é divino, santo, poderoso, da mesma essência e com os mesmos atributos como o é Jeová. E se revelou como o Deus רוּהַ rûah, o Deus Espírito, o Consolador, (João 14:16,26; 15:26 e João 16:7), a Trindade de Jeová o que não querem reconhecer, o que discutiremos abaixo.

1.2 – O primeiro nome de DEUS que aparece na Bíblia, em (Gênesis 1:1), é אֱלֺהים `elohim, o nome de Deus no plural, que manifesta a Trindade e a totalidade da Divindade. Este nome de DEUS é citado na Bíblia 2.570 vezes. Foi através deste nome que o povo de Deus, Israel, O conheceu. O nome quer dizer que Deus é o criador de todas as coisas e manifesta a Trindade divina. É assim que as Escrituras se referem a Deus, (HARRIS, 2008, P. 68-73 (3). Nos três primeiros capítulos de Gênesis aparecem os três nomes principais e mais importantes de Deus. Em Gênesis 1:1 aparece Elohim. Em Gênesis 3:8. Diz Fonseca, Bíblia Apologética de Estudos, (2005), p. 2 (4), que os “Testemunhas de Jeová [...] Negam a doutrina bíblica da Trindade, procurando enfraquecer o conceito de pluralidade presente na forma Elohim – plural de Eloah (Deus, na língua hebraica). [...] RESPOSTA APOLOGÉTICA: Deus é apresentado pela primeira vez na Bíblia com o nome hebraico Elohim. Em Gênesis 1.1, o verbo está no singular (criou) e o sujeito no plural (Deus). Elohim é a forma de Eloah, mas o significado é o mesmo: Deus. Quando analisamos o contexto bíblico (1.26; 2.22; 11.7), podemos compreender a unidade composta de Deus na Trindade, ou seja, um único Deus eternamente subsistente em três pessoas: Pai, Filho e Espírito Santo. Embora o nome Elohim, por si só, não prova a unidade composta, o contexto, porém, apoia a unidade de Deus: ‘façamos... nossa’ (1.26,27); ‘eis que o homem é como um de nós’ (3.22); ‘desçamos e confundamos’ (11.7. v. tb. 1.26,27)”.

Em Êxodo 3:14 encontra-se a resposta de Deus a pergunta de Moisés: “Qual é o seu nome?” E Deus responde: “EU SOU O QUE SOU”. Ele não respondeu ser Jeová, o que os Testemunhas de Jeová querem que Ele seja chamado. Fonseca, Bíblia Apologética de Estudos, (2005), p. 65 (5), diz que: A “Tradução do Novo Mundo traz: ‘Mostrarei Ser’. E, em João 8:58: ‘eu tenho sido’. Seu objetivo, com isso, evidentemente, é inferiorizar Jesus, negando ao Filho de Deus a divindade que lhe é devida. Dessa forma, tal tradução evita a associação natural entre o EU SOU, da referência em estudo, e o EU SOU, do evangelho de João. RESPOSTA APOLOGÉTICA: O texto da Tradução do Novo Mundo não corresponde ao original bíblico, mas atende unicamente ao propósito da Sociedade Torre de Vigia: negar a divindade de Jesus Cristo. Nas palavras de Jesus, em João 8:58, o Senhor repete, a respeito de si mesmo, o nome de Deus revelado a Moisés, conforme a referência em estudo. Os judeus que ouviram Jesus pronunciar essas palavras entenderam a identificação e, por isso, pegaram em pedras para atirar nele. Queriam condená-lo por blasfêmia por ter pronunciado o nome de Deus (coisa que eles, em hipótese alguma, faziam). Mas Jesus preferiu o santo nome de Deus em referência a si mesmo: ‘Antes que Abraão existisse, EU SOU’. Como se não bastasse, a edição anotada da Tradução do Novo Mundo (com referências de 1986, p.84) afirma que a locução grega Ego eimi ho on significa: ‘Eu sou o Ser’ ou ‘Eu sou o Existente’. Mas em João 1.18 a mesma expressão (ho on) é empregada para definir a relação que há entre o Deus Pai e o Deus unigênito, Jesus Cristo. Tal tradução, elaborada pela Sociedade Torre de Vigia, deve ser rejeitada, porque adultera o texto bíblico com o único objetivo de dissociar Jesus da unidade divina e classificá-lo como mero representante de Jeová Deus”, EL.

Em Êx. 3:15 Deus diz a Moisés: “Este é meu nome eternamente”. Esta afirmativa de Deus a Moisés levou os Testemunhas de Jeová a usarem, afirma Fonseca, Bíblia Apologética de Estudos, (2005), p. 65-66 o seguinte: “este versículo para argumentar(em) que são as únicas pessoas que adoram o verdadeiro Deus, uma vez que somente elas chamam Deus de Jeová. Para essa seita, quem chama Deus de Deus ou Senhor pode estar chamando ou orando a um deus falso. Se alguém deseja falar com o Deus verdadeiro, segundo afirmam, deve chamá-lo pelo nome de Jeová. RESPOSTA APOLOGÉTICA: Esse entendimento só surgiu em 1931, quando os adeptos dessa seita adotaram o nome organizacional de Testemunhas de Jeová, indicando, como base bíblica para isso, Isaías 43.10. Antes, afirmavam: ‘O nome Deus quer dizer o Altíssimo, o Criador de todas as coisas. O nome Jeová significa os propósitos do Eterno para com suas criaturas. O nome deus Todo-Poderoso quer dizer que o seu poder é ilimitado. O nome altíssimo dá a entender que Ele é o Supremo e que além dele não existe nenhum outro. E o nome Pai quer dizer que Ele é o doador da vida’. O senhor Jesus nunca iniciou suas orações dizendo: ‘Deus Jeová’ ou ‘Jeová Deus’, mas: ‘Pai’ (Mt 11.25; 26.39-42; Lc 10.21; 22.42; 23.34-46; Jo 11.41; 12.27,28; 17.1-26)” (6).

Em Gênesis 1.2 onde lemos [...] “E o Espírito de Deus [...]”, diante deste texto os Testemunhas de Jeová usam em sua versão bíblica, afirma Fonseca, Bíblia Apologética de Estudos, (2005), p. 2, que “A Tradução do Novo Mundo (versão da Bíblia das Testemunhas de Jeová), para negar a personalidade do Espírito Santo, traz ‘força ativa de Deus’, em lugar de ‘Espírito Santo’. Em todas as passagens da TNM (Tradução Novo Mundo, entre parênteses, grifo meu), o nome Espírito Santo de Deus é grafado com iniciais maiúsculas (Cf. Mt. 4:1-3). RESPOSTA APOLOGÉRTICA: a palavra hebraica para espírito (ruach) aparece 377 vezes no Antigo Testamento. Em 100 ocorrências é traduzida como Espírito de Deus e, nas demais, espírito do homem, vento, respiração e sopro. Assim, pelo fato de a palavra ruach ter vários significados, a Sociedade Torre de Vigia (organização que publica a Tradução do Novo Mundo) se apropria da palavra, atribuindo-lhe o significado mais conveniente à sua convicção doutrinária. A Bíblia, contudo, traz evidente e diversas referências aos atributos do Espírito Santo (Jo 15;26; At 5.3,4; 13.2; 16.6,7; Rm 8.26,27; 1Co 6.19)”, (7).

A afirmação de Fonseca, Bíblia Apologética de Estudos, encontra apoio em Marcelo Berti, em seu Blog “Como assim [outras] coisas?” Seria bom que o leitor consultar tal post. Em que escreve sobre as Traduções do Novo Mundo, das Testemunha de Jeová, em que eles alteram a tradução para dar suporte ao que querem afirmar doutrinariamente sobre Deus, Jesus Cristo, Espírito Santo. O que um ex-testemunha de Jeová, Fernando Galli faz o seguinte comentário dizendo: “Muito bom, Pr. Marcelo! É simples: O corpo governante das TJs adapta sua TNM (Tradução Novo Mundo, grifo nosso) às suas crenças. Quando fui TJ, conheci “peritos” em grego das TJs, em Cesário Lange. Eram dois: Eric Katner e Fred Willians. Ambos me disseram: Acrescentamos “outras” por ser uma tradução interpretativa, uma paráfrase, que não se choca com a verdade da criação do próprio Jesus” (mais ou menos isso)” (8).

Em Gênesis 1:26-27, lemos: “Façamos o homem à nossa imagem”. Diante desta afirmação, os testemunhas de Jeová, segundo Fonseca, Bíblia Apologética de Estudos, (2005), p. 3: “Declaram que o verbo ‘façamos’ (1ª pessoa do plural, ‘nós’) e o respectivo pronome possessivo ‘nossa’ (também 1ª pessoa do plural) deveriam ser interpretados como sendo o Criador falando ao mestre-de-obras, Jesus. Declaram, ainda, que a pluralidade se refere à majestade. O propósito desta interpretação é negar a doutrina bíblica da Trindade. RESPOSTA APOLOGÉTICA: A doutrina cristã da Trindade é biblicamente explicada pelos seguintes fundamentos: a.) Há um só Deus (Dt. 6.4; Is. 43.10; 45.5,6) b.) Esse único Deus é uma pluralidade de pessoas (1.26; 3.22. Comparar Is. 61-8 com Jo 12.37-41 e At 28.25); c.) Há três pessoas chamadas de Deus e eternas por natureza: o Pai (2Pe1.17), o Filho (Jo 1.1; 20.28; 1Jo 5.20) e o Espírito Santo (At 5.3,4). As Escrituras atribuem a Jesus a criação de todas as coisas: ‘Sem ele nada do que foi feito se fez’ (Jo 1.3)”, bem como Jo. 1:10 e Col. 1:17 que dizem: “Estava no mundo, e o mundo foi feito por ele, e o mundo não o conheceu”. “E ele é antes de todas as coisas, e todas as coisas subsistem por ele” (9).

1.3 – O tetragrama YHWH - Jeová, sem dúvida é uma palavra hebraica importante quanto ao nome pessoal de Deus, uma das primeiras também, citada biblicamente em um total de 5.321 vezes nas Escrituras; mas isso não garante os grupos afirmarem que é o único nome de Deus na Bíblia e que Deus só pode ser chamado de YAVÉ. Harris, 2008, p. 345-347, depois de discutir vários aspectos da palavra YHWH como derivação, grafia, sufixos, sonorização, significados, nomes de pessoas na Bíblia que correspondem ao nome Iavé, o respeito e reverência que os judeus devotavam em pronunciar o nome de YHWH, bem como o acréscimo das vogais posteriores ao tetragrama YHWH, ele concluiu a dissertação, dizendo que: “O nome de Deus identifica sua natureza, de modo que um pedido para conhecer seu ‘nome’ equivale a uma pergunta sobre seu caráter (Êx 3.13; Os 12.5(6). [...] O nome exato, Iavé, (YHWH) surge quando outros falam dele na terceira pessoa, yahweh, ‘ele é’. O nome “Iavé”, nada mais é do que indicar a natureza de Deus que faz parte do pacto ou do testamento do Senhor para com o seu povo, Êx. 6:2-4; Deut. 7:9 e Is. 26:4, como El e Elohim. Harris, (2008), p. 348 afirma que: “Em Êx 6.3 o Senhor explica a Moisés que não se dera a ‘conhecer’ aos patriarcas pelo seu nome Iavé, querendo dar a ‘conhecer’ (ver yãda´) o sentido mais amplo e profundo da palavra: o nome estava em uso (Gn 12.8; 15.2,7,8) mas não era entendido com o significado redentor que adquirira no tempo de Moisés” (10). Portanto, o nome de Deus através do tetragrama YHWH, revela nada mais do que a proximidade do Senhor, seu cuidado para com os homens e a revelação de sua aliança redentora para com os pecadores. Não existe nome mais importante ou poderoso de Deus para ser usado com exclusividade. Diz Harris, (2008), p. 348 que: “Em Gênesis 1.1 – 2.3, o termo geral `elohîm (q.u), ‘Deus’, ‘divindade’, é apropriado para o Deus transcendente da criação” (11). Logo, entendemos que, no decorrer do Antigo Testamento, os nomes de Deus como Iavé, Elohim e El, são usados de maneira revezados e alternados, por exemplo: Os Salmos de 1 a 41 usa-se Iavé; já os Salmos de 42 a 72 usa-se Elohim, como El em outras partes como vimos acima. Portanto, a revelação dada por El, a Moisés, usava os nomes para Deus “El”, “Elohim” e “Jeová”. E El fora usado desde tempos mais antigos, como o Salmo 19 diz que os Céus proclamam a glória de Deus.

Concluímos estes três pontos, dizendo que, se os demais nomes de Deus derivam do tetragrama YHWH, como querem afirmar e que os nomes derivados são falsos, logo YHWH é falso também, pois que, como pode ser falso o que procede de fonte verdadeira? Não cremos que os demais nomes de Deus derivam do tetragrama, mas são nomes independentes. E ainda que os demais nomes de Deus se derivassem do tetragrama YHWH, sendo este verdadeiro, lógico que os demais são verdadeiros. Portanto, refutemos tal afirmação que os nomes de Deus e títulos derivam do nome Jeová.

2 – O nome de Deus que Abrão, Isaque e Jacó usaram é אֵל שָדַדיEL-SHADDAY, que significa Deus Todo-Poderoso. O nome verdadeiro de Deus em que Ele revela a si Mesmo aparece em Êx. 3:15 que é `ehyeh, que é: EU SOU AQUELE QUE É. A revelação do nome de Deus, não é apenas uma verdade teológica, mas é um apelo a resposta de fé da parte de Moisés, do povo de Israel e, consequentemente nossa também. Jeová não está tão interessado que O chamemos pelo nome verdadeiro, mas que creiamos em seu Filho, Cristo Jesus que Ele nos enviou como o Único salvador dos homens, que o obedecemos de coração e tenhamos comunhão com Ele através do Único mediador entre Jeová e os homens. O tetragrama, YHWH, significa Senhor. Sem dúvida, um dos nomes ou títulos dado a Deus e é respeitado, tanto que os israelitas resistiram pronunciar esse nome posteriormente, com medo de tomarem o nome de Deus em vão, Êx. 20:7. Mas isso não garante por si só a exclusividade de chamarmos Deus só pelo nome de Jeová. Diz Cole, (1981), p. 68 (12), que podemos pronunciar o nome de Deus como quisermos, Senhor, Jeová, Javé, Yavé, El, Elohim ou Deus. Não estamos errados e não há nenhuma heresia em tal prática. Moisés a partir do momento que Javé lhe apareceu no Monte Horebe, passou usar o novo nome de Deus que a ele foi revelado, Êx. 4:24, que em hebraico é: `ehyeh `aser `ehyeh, - EU SOU O QUE SOU, que tem ligação com YHWH, “Eu Sou Aquele que é”, “Eu Sou Incomparável”. O nome de Deus revelado a Moisés, no Monte Horebe, que não tem uma tradução exata, que significa ‘“Serei entendido apenas através de Meus atos de salvação e minha revelação subsequentes’? Este sentido parece se ajustar ao padrão bíblico, pois em toda a história israelita subsequente Deus viria a ser conhecido como Aquele que tirou a Israel do Egito (20:21)”, (COLE, 1981, P. 67) (13). Logo, sé é o novo nome de Iavé, lógico que havia um nome para o Senhor anterior. E qual era? Era El e Elohim. Em Êx. 5:3, Moisés se refere ao nome de Jeová como sendo El-Shadday, o Todo-Pederoso, o Todo-Suficiente, o nome antigo que era usado na Mesopotâmia, enquanto YHWH não o era conhecido pelos patriarcas, nem usado por eles. O nome YHWH foi usado a partir de Moisés. Portanto, esse nome poderia até existir, mas não era comum para o povo escolhido de Deus. Como foi Moisés quem recebeu a revelação de Jeová para escrever, foi ele quem escreveu os livros de Gênesis a Deuteronômio, logo, ele usou o nome para Deus que ele quis, YHWH. Como o “Y”, no hebraico, tem som e funciona como “J”, logo, YHWH pode ser lido ou pronunciado como Javé também.

3 – Tudo o que temos de revelação e os nomes de El, Elohim e Javé, foram revelados ao povo do Senhor, os israelitas e seus ascendentes. O povo israelita, porém, não tivera receio e dificuldades de chamar Deus de Jeová raphah, Jeová jireh, Jeová nissi, Jeová shamá, Senhor dos Exércitos, Todo-Poderoso, Jeová, Elohim, El e El-Shadday. Agora vem as seitas dizendo que só podemos chamar Deus de Jeová, milênios depois afirmando que os nomes de Deus e títulos derivaram da palavra Jeová. Entendemos que chamarmos alguém pelo o seu nome é uma forma de respeito, sim; mas entendemos também que é preciso levar a pessoa que possui o nome muito mais a sério do que o seu nome. De igual modo, chamarmos Deus pelo seu nome, que pode ser Jeová, El ou Elohim é uma forma de respeito também; todavia, entendemos que precisamos levar a pessoa de Deus e sua vontade muito, mais muito mais à sério do que o seu nome. Se isso não for mais importante, o que será então? Revelação por revelação, se o Senhor revelou a Moisés o seu nome YHWH, o mesmo YHWH revelou o seu nome EL no início a Adão, a Sete, a Enos, a Enoque, a Lameque, a Noé e a Abrão até chagar a Moisés. Portanto, passando de geração a geração o seu nome EL. Apegar-se a detalhes minuciosos, da lei de Deus escrita, é coisa de fariseus, que eram tão minuciosos que esqueceram do espírito e a essência da mesma, à ponto de criarem mais de 600 mandamentos para cumprirem a Lei do Senhor. Os discípulos foram advertidos por Jesus contra os fariseus e seu fermento, "E Jesus disse-lhes: Adverti, e acautelai-vos do fermento dos fariseus e saduceus", (Mateus 16:6). E em (Mateus 16:12), Jesus diz: "Então compreenderam que não dissera que se guardassem do fermento do pão, mas da doutrina dos fariseus". Para uma melhor visão de como Jesus via os fariseus, leia Mateus 23. Os fariseus estavam muito, mais muito longe do que Jeová queria deles. A Igreja Católica quando se preocupou mais com os detalhes do que viver o espírito e a essência dos ensinamentos bíblicos, discutindo quantos anjos pousariam na cabeça de um alfinete, ela continuou descambando para as grandes heresias, para a prática de uma violência brutal, a cassa dos que ela considerava hereges e bruxos, produzindo uma teologia barata, uma vida cristã vazia e se tornando uma ameaça perigosa para a sociedade da Idade Média. Não será o caso das seitas hoje que se prendem a detalhes e esquecem a essência do Evangelho de Cristo? Qual é mais importante: O nome de Deus ou o Deus do nome, não importando qual nome? Qual é mais importante: Ensinar sobre o nome de Deus, ou sobre a salvação que Jesus Cristo nos trouxe? Você escolhe qual é mais importante! Algumas seitas, escolheram o nome como mais importante, em detrimento a Pessoa de Deus. Contra os fariseus do Antigo Testamento, que Iavé diz em (Os. 6:6) “Porque eu quero a misericórdia, e não o sacrifício; e o conhecimento de Deus, mais do que os holocaustos”. Conhecimento aqui tem a conotação de relacionamento íntimo, não conhecimento teórico e histérico. Jesus Cristo asseverou em (Mat. 9:13), “Ide, porém, e aprendei o que significa: Misericórdia quero, e não sacrifício. Porque eu não vim a chamar os justos, mas os pecadores, ao arrependimento”. E em (Mat. 13:7) “Mas, se vós soubésseis o que significa: Misericórdia quero, e não sacrifício, não condenaríeis os inocentes”. A seita citada acima, condena todos os que não chamam Deus de Jeová como não salvos e que estão servindo um Deus falso. Não usam de misericórdia para com os seus fiéis que começam discordar dos ensinamentos da seita, trucidando-os ao desprezo e isolamento como forma de punição.

Concluímos, pois que, o que Harris, (2008), p. 348 e Cole, (1981), p. 68, já citados acima, deixam claro, é que os nomes ou títulos como EL, YHWH OU ELOHIM tem a mesma importância e peso quanto ao nome de Deus. Chamar Deus de Deus, de Jeová, de Javé, de El, de El-Shadday e etc, não traz nenhuma implicação para a fé, para a doutrina, para a teologia e para a salvação. As seitas dão essa preferência pelo tetragrama YHWH - Jeová, por uma escolha pessoal e gosto próprio, para forçar uma base para o que elas afirmam e para vindicarem uma suposta diferença superior as religiões. Mas tal escolha ou exclusividade de nome não resiste uma análise crítica do conteúdo bíblico, textual, gramatical e teológica como vimos acima. Os testemunhas de Jeová, causam toda essa confusão, porque não aceitam as verdades bíblicas. Eles distorcem a tradução e a interpretação bíblica, isolando textos do contexto para darem sentidos espúrios as Escrituras, como vimos acima, para negarem quatro verdades bíblicas e teológicas que nem sempre as pessoas percebem. Primeira: Negam que Jesus Cristo é Jeová, o Próprio Deus encarnado; e que não é salvador Único de todos os homens. Segunda: Negam que o Espírito Santo é o Próprio Deus e que é uma pessoa. Eles afirmam que o Espírito Santo é apenas uma força agindo no universo. Terceira: Que não existe Inferno, porque ninguém será condenado no juízo final. Todos serão absolvidos. E Quarta verdade negada por elas: Que não haverá Céu em uma dimensão além. Afirmam que o Céu é aqui mesmo. Que a terra passará por uma purificação pelo fogo e todos viverão aqui eternamente, em plena paz entre os homens e os homens com os animais. São causadores dessa confusão quanto ao nome de Deus e distorções na tradução da Bíblia Novo Mundo, da Sociedade Torre de Vigia. Daí que é difícil aceitar que são realmente Testemunhas de Jeová, visto que o Deus-Jeová não é Deus de confusão, “Porque Deus não é Deus de confusão, senão de paz, como em todas as igrejas dos santos”, I Coríntios 14:33! Fica ai a nossa contribuição para a sua apreciação.

CITAÇÕES BIBLIOGRÁFICAS


1 – HARRIS, R. Laird; Gleason L. Archer Junior e Bruce K. Waltke. Dicionário Internacional de Teologia do Antigo Testamento. Tradução de Márcio Loureiro Redondo; Luiz A. T. Sayão e Carlos Osvaldo C. Pinto. 2008, Ed. Vida Nova, São Paulo, 1789 p. p. 69.

2 – Idem, p. 69-70.

3 – Idem, p. 68-73.

4 – FONSECA, Antônio e Jamierson Oliveira. Bíblia Apologética de Estudos. 2ª Ed. Jundiaí/SP, Editora Instituto Cristão de Pesquisa, 2005, 1657 p. p. 2.

5 – Idem, p. 65.

6 – Idem, p. 65-66.

7 – Idem, p. 2

8 – Marcelo Berti

Disponível em: https://marceloberti.wordpress.com/2011/11/26/como-assim-outras-coisas/

Acessado em: 26/06/2017.

9 – FONSECA, Antônio e Jamierson Oliveira. Bíblia Apologética de Estudos. 2ª Ed. Jundiaí/SP, Editora Instituto Cristão de Pesquisa, 2005, 1657 p. p. 9.

10 – HARRIS, R. Laird; Gleason L. Archer Junior e Bruce K. Waltke. Dicionário Internacional de Teologia do Antigo Testamento. Tradução de Márcio Loureiro Redondo; Luiz A. T. Sayão e Carlos Osvaldo C. Pinto. 2008, Ed. Vida Nova, São Paulo, 1789 p, p. 345-347.

11 – Idem, p. 348.

12 – COLE, R. Alan. Êxodo – Introdução e Comentário. Trad. de Carlos Oswaldo Pinto. Ed. Editoras Mundo Cristão e Vida Nova, São Paulo, 1972, 231 p. p. 68.

13 – Idem, p. 67.

BIBLIOGRAFIA


1 – COLE, R. Alan. Êxodo – Introdução e Comentário. Trad. de Carlos Oswaldo Pinto. Ed? Editoras Mundo Cristão e Vida Nova, São Paulo, 1972, 231 p.

2 – FONSECA, Antônio e Jamierson Oliveira. Bíblia Apologética de Estudos. 2ª Ed. Jundiaí/SP, Editora Instituto Cristão de Pesquisa, 2005, 1657 p.

3 – HARRIS, R. Laird; Gleason L. Archer Junior e Bruce K. Waltke. Dicionário Internacional de Teologia do Antigo Testamento. Tradução de Márcio Loureiro Redondo; Luiz A. T. Sayão e Carlos Osvaldo C. Pinto. 2008, Ed. Vida Nova, São Paulo, 1789 p.

4 – Marcelo Berti

Disponível em: https://marceloberti.wordpress.com/2011/11/26/como-assim-outras-coisas/

Acessado em: 26/06/2017.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

FALE CONOSCO

Nome:


Email:


Assunto:


Mensagem:


PAZ VERDADEIRA SÓ EM JESUS! Jo. 14:27 "Deixo-vos a paz, a minha paz vos dou..."